06:22 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    12312
    Nos siga no

    Chefe do Comitê dos Assuntos Exteriores da Câmara dos Representantes, Ed Royce, apresenta projeto de lei sobre introdução de mais sanções antirrussas.

    Tal medida é explicada pela "violação" do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) por parte da Rússia, informa a agência Reuters.

    "A recente implementação [pela Rússia] de mísseis com ogivas nucleares proibidos representa uma ameaça séria aos interesses dos EUA na área da defesa nacional", declarou Royce.

    Em fevereiro, os militares norte-americanos disseram que a Rússia instalou mísseis de cruzeiro de baseamento terrestre SSC-8, violando assim o tratado.

    O projeto de lei do senador Royce seria uma emenda ao Ato de Defesa Nacional (NDAA, na sigla em inglês).

    Os democratas apresentaram uma proposta para conter a Rússia na Europa, afirmando que Moscou viola o Tratado INF, a Rússia nega essas acusações. Os autores do projeto de lei querem elaborar um plano sobre implementação de armas de alta precisão na Europa para "reforçar a contenção da Rússia".

    O Tratado INF proíbe as partes de possuírem mísseis balísticos e de cruzeiro nucleares ou convencionais com alcance de 500-5.500 quilômetros. Em diferentes ocasiões, a Rússia e os Estados Unidos apresentaram acusações mútuas de violação do acordo assinado em 1987.

    No final de março do ano corrente, o ministro russo do Exterior, Sergei Lavrov, disse que a Rússia cumpre plenamente o tratado, enquanto o seu cumprimento pelos EUA provoca dúvidas.

    Mais:

    Ex-funcionário do Pentágono: saída do Tratado INF abre caminho para corrida nuclear
    Mísseis dos EUA na Polônia são uma gravíssima violação do Tratado INF, diz Moscou
    'Iskander é um problema para todos sistemas antiaéreos e antimísseis'
    Tropas de mísseis Iskander eliminaram postos de comando convencionais do 'inimigo'
    Tags:
    violação, Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar