04:23 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Sede do Pentágono em Washington, EUA

    Pentágono 'em pânico' com a incapacidade de defender logística contra a Rússia e China

    © AFP 2019 / STAFF
    Américas
    URL curta
    47311
    Nos siga no

    O chefe do Comando de Transporte dos Estados Unidos, general Darren McDew, disse ao Comitê de Serviços Armados do Senado que os EUA não têm suficientes navios, aviões ou petroleiros aéreos para transportar grandes quantidades de equipamentos, suprimentos e mão-de-obra em caso de grande guerra. Entenda o que isso significa para a Rússia.

    Depondo perante o Senado dos Estados Unidos no início deste mês, McDew disse que o Comando de Transporte dos Estados Unidos (USTRANSCOM) não tem os recursos necessários para o transporte rápido de grandes quantidades de materiais e tropas nem para o reabastecimento no caso de um  grande conflito.

    O General da Força Aérea revelou que seu departamento atualmente é capaz de transportar para o exterior apenas uma força do tamanho de uma brigada, usando aviões de transporte C-5 e C-17. Ele acrescentou que os militares teriam dificuldade para reabastecer suas tropas se o conflito durasse mais do que 30 dias.

    No que diz respeito ao reabastecimento naval, o chefe do Comitê de Serviços Armados do Senado, John McCain, reclamou na audiência que os EUA não tinham os dez navios necessários para transportar duas brigadas de combate, uma capacidade que é exigida pela atual doutrina militar dos EUA.

    O modelo de navio de transporte médio dos EUA tem 39 anos e menos de 60% deles podem ser levados para exercícios ou manobras. O restante precisa de reparos ou é considerado inadequado. McCain disse que o USTRANSCOM tem acesso a apenas 27 navios de transporte militar; nove deles estão sujeitos a aposentadoria nos próximos seis anos.

    Soldados do 2º Pelotão, Alpha Company, 1-27 Divisão de Infantaria, assumem um perímetro de segurança como dois veículos de transporte de infantaria M1126 Stryker na Base Aérea de Daegu, Coreia do Sul
    © Foto / Expert Infantry
    Soldados do 2º Pelotão, Alpha Company, 1-27 Divisão de Infantaria, assumem um perímetro de segurança como dois veículos de transporte de infantaria M1126 "Stryker" na Base Aérea de Daegu, Coreia do Sul

    Comentando a questão, o colaborador do portal BreakingDefense.com, Colin Clark, manifestou sua preocupação com o fato de que o Comando não possui planos de contingência no caso de seus navios e aeronaves de transporte serem destruídos. O cenário não foi sequer levado em consideração exercícios e simulações estratégicas militares.

    No seu relatório apresentado ao Senado, o general McDew advertiu que a estratégia atual para aliviar a escassez de navios e aeronaves militares depende da utilização de navios comerciais e da aviação para transportar tropas e suprimentos e que a segurança destes meios de transporte — no que diz respeito à segurança cibernética era duvidosa. Até 90% da informação usada pelo  USTRANSCOM está localizada nos servidores de empresas comerciais. McDew sublinhou que esta situação torna o USTRANSCOM "claramente vulnerável", particularmente em comparação com outras agências do Departamento de Defesa.

    Um navio da Marinha russa lança o míssil Kalibr contra as posições do grupo terrorista Frente Al-Nusra no mar Mediterrâneo (foto do arquivo)
    © Foto / Ministério da Defesa da Federação da Rússia
    Um navio da Marinha russa lança o míssil Kalibr contra as posições do grupo terrorista Frente Al-Nusra no mar Mediterrâneo (foto do arquivo)

    O jornalista militar da RIA Novosti, Ilya Plekhanov, analisou o relatório e salientou que os primeiros exercícios de comando simulando um conflito militar com um inimigo prospectivo tecnologicamente avançado, como a Rússia ou a China, foram realizados apenas no início deste ano, e demonstrou que a logística militar dos EUA seria confrontada com o perigo de perdas catastróficas.

    O analista explicou que "em condições de guerra com um inimigo que possua armas de longo alcance, de alta precisão, enormes armazéns, comboios de transporte e agrupamentos de equipamentos e mão-de-obra se tornam um alvo fácil e atraente para a destruição".

    Plekhanov enfatizou que o "particular interesse para os americanos são as reservas de combustível para seus tanques M1 Abrams, que consomem três galões por milha, e são a espinha dorsal das brigadas mecanizadas do Exército dos EUA. Esses tanques não serão substituídos em breve, o que significa que eles continuarão a exigir grandes quantidades de combustível e, em caso de guerra, serão ativamente apontados para a destruição".

    "O Pentágono, obviamente, gostaria de substituir o M1 Abrams, o M2 Bradley e o Paladino M109 com veículos blindados que consomem menos combustível. Estão sendo consideradas opções, incluindo tanques híbridos-elétricos e aqueles que utilizam células de hidrogênio, mas o financiamento para estes é improvável que a realização de projetos aumente antes de 2030".

    Espera-se que o Departamento de Defesa crie uma nova estratégia de logística antes do final do ano e testes de campo de novas abordagens para transporte de tropa e equipamentos a partir de 2018.

    Plekhanov observou que, idealmente: "a logística deve ser tratada por um grande número de portadores robotizados móveis, pequenos, dispersos, difíceis de detectar, que seriam difíceis de destruir".

    Tanques de combate de Abrams da 4ª Divisão de Infantaria do Exército dos EUA, a 3ª Brigada de Combate da Equipa, do 68º Armamento do Regimento e do 1º Batalhão de vagões chegam à estação ferroviária de Gaiziunai a cerca de 110 km a oeste da capital Vilnius, Lituânia.
    © AP Photo / Mindaugas Kulbis
    Tanques de combate de Abrams da 4ª Divisão de Infantaria do Exército dos EUA, a 3ª Brigada de Combate da Equipa, do 68º Armamento do Regimento e do 1º Batalhão de vagões chegam à estação ferroviária de Gaiziunai a cerca de 110 km a oeste da capital Vilnius, Lituânia.

    Quatro soluções possíveis

    Para o jornalista, os planejadores do Pentágono possuem uma série de possíveis soluções para o problema.

    "Uma das soluções mais rápidas disponíveis, que poderia ser implementada imediatamente, é a automação inteligente do consumo de eletricidade pelas forças militares de frente", explicou o Plekhanov. "Ou seja, é necessário reduzir significativamente o fornecimento de combustível para geradores e cortar o movimento de caminhões-tanque de petróleo. Software e sensores devem monitorar a eficiência do uso de combustível e enviar essas informações para centros de logística".

    "O problema", acrescentou Plekhanov, "é que os próprios americanos dizem que, em caso de conflito com a Rússia, os meios de guerra eletrônicos dos russos são capazes de atingir os canais de comunicação"- tornando todos esses dados e automação do consumo de combustível essencialmente inúteis,

    A segunda abordagem envolve reduções sustentadas no número de pessoal envolvido na provisão de combustível.

    "A perda de mão-de-obra nas operações de entregas de logística no Iraque em 2003 e a morte de motoristas por dispositivos explosivos improvisados ​​nas estradas do Iraque e Afeganistão tornaram-se uma lição importante. A solução pode ser o uso de comboios parcialmente automatizados, ou seja, sem tripulação".

    Um comboio de caminhões-tanques de combustível escoltados por um veículo do Exército dos EUA entra no Kuwait no posto fronteiriço militar de Abdaly na fronteira Kuwait-Iraque neste arquivo foto tirada em janeiro de 2006.
    © AP Photo / Gustavo Ferrari
    Um comboio de caminhões-tanques de combustível escoltados por um veículo do Exército dos EUA entra no Kuwait no posto fronteiriço militar de Abdaly na fronteira Kuwait-Iraque neste arquivo foto tirada em janeiro de 2006.

    A terceira solução, de acordo com Plekhanov, envolve o uso de drones de carga controlados remotamente. Estes incluem: a) drones que podem transportar toneladas métricas por uma distância até 100 km, b) drones que transportam cerca de 200 kg e fornecem um esquadrão de infantaria por alguns dias, e c) drones operacionais que entregam cerca de 20 kg de carga, ou seja, suprimentos médicos  para soldados feridos ou peças sobressalentes para equipamentos.

    Aqui também, observou o analista, o trabalho de engenheiros russos e chineses na área da guerra radio-eletrônica "continua a ser uma grande dor de cabeça para os planejadores de logística dos EUA".

    A quarta solução envolve o uso da tecnologia de impressão 3D para criar ferramentas ou componentes necessários no front, "mas isso ainda requer matérias-primas e entrega. Então, essa abordagem também não resolve o problema", explicou Plekhanov.

    Em última análise, Plekhanov enfatizou que os planejadores dos EUA estão cientes de que, em um conflito com a Rússia ou a China, os EUA estarão travando uma guerra não contra países ou grupos tecnicamente subdesenvolvidos (como eles se acostumaram nos últimos trinta anos), mas contra iguais.

    Em outras palavras, tal conflito ocorreria "em condições do chamado sistema de acesso restrito (A2 / AD — Anti-Access, Negação de Área) e em Batalha de Multidomínio (ou seja, operações simultâneas em várias esferas — em terra, no mar, no ar, no espaço, no ciberespaço e dentro do espectro eletromagnético)". Com isso em mente, "o Pentágono está repensando todas as suas estratégias, incluindo a logística".

    O outro lado da moeda é que os planejadores russos e chineses também não estão desperdiçando um único segundo, com meios de desenvolvimento assimétricos para combater o poder militar dos EUA.

    Tags:
    Paladino M109, M2 Bradley, M1 Abrams, C-5, C-17, BreakingDefense.com, Comando de Transporte dos Estados Unidos (USTRANSCOM), Comitê de Serviços Armados do Senado, Senado dos EUA, Ria Novosti, Departamento de Defesa dos EUA, Exército dos EUA, Pentágono, Darren McDew, Ilya Plekhanov, Colin Clark, John McCain, Iraque, Afeganistão, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar