21:30 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O emblema do Pentágono, sede do Departamento de Defesa norte-americano

    Militares expuseram fotos de colegas nuas nas redes... e o Pentágono não gostou nada

    © flickr.com/ Andrés Feliciano
    Américas
    URL curta
    770
    Nos siga no

    Depois de um escândalo expondo a distribuição on-line de fotos de mulheres nuas por militares, o Gabinete Superior da Marinha enviou uma carta aos dirigentes de alto escalão ordenando-os a reforçar a conduta das tropas e a apoiar as mulheres que tiveram fotos sexuais vazadas sem permissão.

    A carta de duas páginas do comandante-general Robert Neller aparece  uma semana após a descoberta do Marines United, um grupo do Facebook de 30 mil membros, no qual oficiais compartilhavam fotos comprometedoras de ex-namoradas e colegas nuas, incluindo o nome delas e em qual posição trabalhavam.

    Dias depois do Marines United ser descoberto, um tópico com mensagens similares foi encontrado no AnonIB, um notório site por postar fotos de celebridades nuas. O achado indica que a questão se espalhou para além dos fuzileiros navais e em outros ramos do exército.

    O veterano John Albert foi quem expôs o grupo. Segundo Albert, ele foi adicionado em setembro de 2016 ao grupo por um colega, sem saber o que era. Ele se disse chocado com o que encontrou e resolveu fazer a denúncia.

    Albert, que foi destacado duas vezes para o Afeganistão, descreveu o grupo em um post no Facebook, dizendo que continha "toneladas de pornografia de vingança, nudez pura postada sem o consentimento de outros, tópicos sobre estupro e atos obscenos. O racismo e a libertinagem geral foram espalhados durante os dois dias inteiros da linha do tempo que eu visitar enquanto pensava, 'Que diabos, caras'. Eu respeito vocês que eram membros da página, mas essas coisas eram desonrosas, tristes, misóginas e ilegais".

    Erin Kirk-Cuomo, uma das fundadoras do grupo anti-assédio Not In My Marine Corps, disse que recebeu uma série de denúncias, observando que o medo muitas vezes evita que as vítimas falem. "Elas estão com medo de sair e denunciar, elas estão aterrorizados com a possibilidade de vingança", disse ela.

    Neller escreveu que o comando atualizaria suas diretrizes de 2010 sobre conduta em redes sociais e que as tropas devem ser educadas sobre como a atividade na internet pode afetar a vida das pessoas e como a instituição espera que eles se comportem online.

    Ao usar as mídias sociais, os fuzileiros navais devem usar seu "melhor julgamento em todos os momentos e evitar comportamentos inadequados", de acordo com as diretrizes atuais, observando que postos de natureza abusiva, odiosa ou ameaçadora podem trazer ação disciplinar.

    O Marines United continha comentários misóginos e sexuais sob as fotos de nudez.

    Neller declarou: "Os líderes devem lembrar aos nossos fuzileiros que eles não são anônimos no mundo virtual e continuam sendo responsáveis por suas ações… Onde encontrarmos comportamento criminoso, vamos tomar medidas apropriadas".

    O comandante-geral ordenou que os líderes encorajassem as vítimas a se apresentarem, oferecendo apoio a elas e dizendo às testemunhas que relatassem má conduta quando a vissem.

    Terminando em uma nota positiva, Neller escreveu que esta questão poderia ser superada se a atitude subjacente e problemas de comportamento foram abordados, dizendo: "Nós somos melhores do que isso".

    Mais:

    Olhos pregados no 'cão furioso': novo chefe do Pentágono viaja a Europa
    Pentágono tenta acalmar Europa e assegura apoio à OTAN
    Pentágono: Relatos sobre base dos EUA no norte da Síria são 'imprecisos'
    Novo chefe do Pentágono promete reforçar alianças com outros países
    Tags:
    Not In My Marine Corps, AnonIB, Marines United, Marinha dos EUA, Pentágono, Erin Kirk-Cuomo, John Albert, Robert Neller, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar