16:19 21 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Multiple layers of steel walls, fences, razor wire and other barricades are viewed from the United States side of the of the US-Mexico border on January 26, 2017 in San Ysidro, California

    EUA vão contratar mais 5 mil agentes para patrulha de fronteiras 'imediatamente'

    © AFP 2019 / DAVID MCNEW
    Américas
    URL curta
    480
    Nos siga no

    O Escritório de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP) dos Estados Unidos deverá contratar imediatamente 5 mil novos agentes para fiscalizar e prender imigrantes que entram ilegalmente no país, disse o secretário do Departamento de Segurança Interna, John Kelly.

    "O Comissário do CBP (…) deve iniciar imediatamente o processo de contratação de um adicional de 5.000 agentes da Patrulha da Fronteira e 500 agentes e oficiais da Força Aérea e da Marinha", assinala o memorando.

    No relatório, datado do dia 20 deste mês, Kelly diz que o CBP atualmente não tem capacidade suficiente para detectar, rastrear e prender pessoas que tentam entrar nos Estados Unidos sem uma autorização de residência.

    Kelly também autorizou a ampliação de uma seção da Imigração e Nacionalidade dos EUA para qualquer estado ou jurisdição competente local.

    O programa, conhecido como 287 (g), permite que funcionários estaduais e locais de aplicação da lei responsáveis tenham as mesmas funções que funcionários federais de imigração.

    Kelly emitiu o memorando de acordo com a ordem executiva do presidente dos EUA, Donald Trump sobre imigração. A ordem deu ao chefe da Segurança Interna a supervisão direta de uma série de mudanças relacionadas à política de imigração dos EUA, incluindo a detenção prolongada e a deportação de pessoas que permanecem ilegalmente no território dos EUA.

    Mais:

    Com iminência do muro, presidente do México cancela reunião com Donald Trump
    Tags:
    Marinha, Força Aérea dos EUA, Escritório de Alfândega e Proteção de Fronteiras, John Kelly, Donald Trump, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar