18:40 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Presidenciável norte-americana Hillary Clinton do Partido Democrata dos EUA

    Embaixador sírio: Clinton poderá agravar ainda mais conflito na Síria caso seja eleita

    © AFP 2017/ BRENDAN SMIALOWSKI
    Américas
    URL curta
    5160243

    A democrata Hillary Clinton, caso seja eleita presidente dos EUA, prosseguirá as políticas de Washington de agravamento do conflito na Síria.

    A opinião foi expressa pelo atual embaixador da Síria na China e ex-embaixador nos EUA, Imad Moustapha, à Sputnik Internacional.

    Durante os últimos debates presidenciais, Clinton prometeu aumentar os ataques aéreos contra o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em vários outros países) e continuar a apoiar as forças terrestres nas campanhas que têm por objetivo retomar a cidade de Raqqa na Síria.

    Segundo Moustapha, "poderá se tratar de apoio político mais estreito aos jihadistas-terroristas da assim chamada 'oposição moderada', de mais armas, munições e dinheiro para estes jihadistas; e de uso mais direto da força pelos EUA na Síria, sejam [ataques aéreos] 'por engano' ou de propósito".

    Além disso, durante sua campanha eleitoral, Clinton prometeu reforçar a presença norte-americana na região do Oriente Médio, criar zonas de exclusão aérea na Síria, aumentar a pressão sobre o presidente sírio Bashar Assad e intensificar apoio à oposição armada.

    Entre outras promessas da candidata democrata – a opção de armar os curdos, "os melhores parceiros dos EUA na Síria e no Iraque para combater o Daesh".

    Diferentemente de Clinton, o presidenciável republicano Donald Trump destacou que, se os rebeldes apoiados pelos EUA na Síria conseguirem derrubar o governo, a Síria poderá ficar em piores mãos do que com Bashar Assad. Ele também prometeu, que, caso seja eleito presidente, que será a favor da operação militar na Síria apoiada pela Rússia.

    Na opinião do embaixador, "inicialmente Trump seguirá seus instintos políticos e adotará a postura de não envolvimento no conflito sírio".

    A coalizão internacional liderada pelos EUA e composta por mais de 60 países têm realizado desde 2014 ataques aéreos contra o Daesh na Síria e no Iraque, sem coordenar suas ações com o Conselho de Segurança da ONU.

    Mais:

    Assange revela papel de Hillary Clinton na destruição da Líbia
    Premiê russo: Trump e Clinton não devem contar 'histórias de terror' sobre Rússia
    Tags:
    oposição moderada, conflito sírio, jihadistas, envolvimento, Daesh, Conselho de Segurança da ONU, Donald Trump, Hillary Clinton, Bashar Assad, Oriente Médio, Iraque, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik