06:01 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Caça F-15E Strike Eagle dos EUA na base aérea de Incirlik, Turquia

    7 razões para EUA fecharem suas bases no estrangeiro

    © flickr.com/ U.S. Department of Defense
    Américas
    URL curta
    2413

    As bases militares norte-americanas no estrangeiro não justificam os custos que representam e contradizem os interesses dos EUA, diz John Glaser do Instituto Cato em seu artigo para edição Time.

    Os EUA mantêm um verdadeiro império de bases militares em todo o mundo, cerca de 800 em mais de 70 países. Muitos vêm nisto um símbolo de potência mundial dominante. Mas existem algumas razões justas que indicam que chegou a hora de fechá-las.

    Antes de tudo, as bases não protegem os EUA de ataques diretos, diz Glaser. "A implantação de 80.000 soldados em 350 instalações da Europa não tem relação direta com a segurança física dos norte-americanos", destaca o analista como exemplo. Ao mesmo tempo, Glaser diz que o país está bem protegido por dois oceanos e um arsenal nuclear.

    Em segundo lugar, o chamado "efeito de contenção" das bases militares está supervalorizado. Ainda mais, o efeito pode ser contrário ao esperado: por exemplo, a expansão da OTAN para o leste da Europa provocou sérias preocupações em Moscou e alterou a estabilidade na região.

    Em terceiro lugar, de acordo com Glaser, as bases militares nem sempre impedem a proliferação de armas nucleares no mundo. Talvez com o estabelecimento de bases na Ásia se consiga evitar o surgimento de um arsenal nuclear no Japão e na Coreia do Sul. No entanto, estas medidas podem fazer com que os países vizinhos, como é o caso da Coreia do Norte, criem seus próprios arsenais.

    Em quarto lugar, as bases podem causar descontentamento entre a população local: em junho de 2016, em Okinawa, 65.000 pessoas protestaram contra a presença dos militares norte-americanos.

    Em quinto lugar, a presença de bases militares em um determinado país pode levar a que Washington se veja obrigado a manter seu "regime ditatorial". Algo que aconteceu, por exemplo, no Bahrein, onde se localiza a base principal da V Frota dos Estados Unidos, ressalta o analista no artigo publicado na edição Time.

    Em sexto lugar, os EUA podem ser envolvidos em uma guerra desnecessária devido às suas instalações militares. Por exemplo, no caso do conflito no mar do Sul da China Washington terá que intervir para cumprir as promessas de segurança feitas a Taiwan, Japão e Filipinas.

    Finalmente, a última razão destacada pelo analista consiste na opinião de que as bases militares dos EUA já estão tecnicamente obsoletas. Atualmente, graças às novas tecnologias, as tropas podem ser reposicionadas rapidamente através de longas distâncias, por conseguinte, podem nem deixar o território dos EUA.

    Em conclusão, John Glaser frisa que os EUA não devem intervir de modo militar em todo o mundo antes de aparecer uma ameaça clara e óbvia à segurança nacional do país.

    Mais:

    Cientista político: querendo obter base da OTAN Kiev 'faz grande alarido'
    EUA farão tudo o possível para evitar presença militar russa em Cuba?
    WSJ: Rússia e China desafiam supremacia aérea militar dos EUA
    Poderiam EUA combater 'em duas frentes' contra Rússia e China?
    Tags:
    tensão militar, base militar, OTAN, Leste Europeu, Japão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik