Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Ocidente encoraja povo de Hong Kong a questionar princípio 'um país, dois sistemas', diz analista

© AP Photo / Kin CheungPessoas caminham em frente à Exchange Square, um distrito comercial no centro de Hong Kong, 10 de junho de 2019
Pessoas caminham em frente à Exchange Square, um distrito comercial no centro de Hong Kong, 10 de junho de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2022
Nos siga noTelegram
O Ocidente, ao declarar que Pequim tem privado Hong Kong do direito à ampla autonomia, distorce a história e tenta encorajar a população da região administrativa especial a questionar o princípio "um país, dois sistemas", afirmou à Sputnik na sexta-feira (1º) o analista do Instituto Taihe, Qian Feng.
Hoje (1º), Xi Jinping participou das celebrações dos 25 anos de retorno da cidade de Hong Kong à China. Em sua presença, foi realizada a cerimônia de tomada de posse da nova administração da região administrativa especial, liderada por John Lee.
"Desde o retorno de Hong Kong à China em 1º de julho de 1997, as condições do lado britânico, previstas na 'declaração conjunta sino-britânica' foram completamente cumpridas. A partir daí, nenhum Estado estrangeiro, incluindo o Reino Unido, não possui direitos soberanos, de governança ou supervisão em relação a Hong Kong, bem como não tem o direito de interferir nos assuntos internos de Hong Kong de forma alguma", disse.
O analista salientou que Hong Kong é governado e vive de acordo com a Constituição chinesa e a Lei Fundamental de Hong Kong e não segundo a "declaração conjunta sino-britânica".
"Ao longo dos últimos anos, sob o disfarce da democracia e sob o pretexto de 'supervisionar' a 'declaração conjunta sino-britânica' certas forças no Ocidente, inclusive os Estados Unidos, têm acusado a China de privar Hong Kong do chamado 'direito à autonomia'. Trata-se não só da violação dos princípios do direito internacional, mas também da distorção consciente da história e do direito", destacou Qian Feng, que é diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Estratégicas da Universidade Tsinghua.
De fato, acrescentou, "é uma tentativa de desviar os residentes de Hong Kong, fazer questionar a política 'um país, dois sistemas', bem como de usar uma ampla autonomia de Hong Kong para se opor ao governo central chinês".
Xi Jinping, presidente chinês, durante cerimônia comemorativa dos Jogos de Inverno e Paraolímpicos no Grande Salão do Povo, praça Tiananmen, Pequim, China, 8 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 17.06.2022
Panorama internacional
Xi Jinping: Ocidente usa democracia e direitos humanos para interferir em outros países
Qian Feng também afirma que o novo chefe da administração de Hong Kong, John Lee, entende bem o que é preciso fazer para um desenvolvimento harmônico da sociedade de Hong Kong e uma governança eficaz, mas salienta que o líder da região está enfrentando desafios sem precedentes, por certas forças no Ocidente ainda tentarem criar fatores de desestabilização em Hong Kong.
O ex-secretário de Segurança, John Lee, que tem 64 anos, foi eleito chefe da administração, o cargo mais alto da região administrativa especial, nas eleições sem alternativas (em que se apresentou como o único candidato), em 8 de maio. O político vai ocupar seu cargo durante o período de cinco anos.
"Lee Ka-chiu (John Lee), sendo o único candidato, foi eleito chefe do Executivo de Hong Kong por um número grande de votos, o que reflete um reconhecimento alto de sua candidatura por parte de todos os setores da sociedade e as aspirações comuns de todos os residentes de Hong Kong. O governo central chinês valoriza sua eleição e vai seguir os princípios 'um país, dois sistemas', ao apoiar firmemente John Lee e sua equipe, nos termos da lei", supõe o analista.
© AP Photo / Kin CheungPoliciais ficam de guarda enquanto ativistas pró-democracia marcham em Hong Kong, em 1º de outubro de 2020
Policiais ficam de guarda enquanto ativistas pró-democracia marcham em Hong Kong, em 1º de outubro de 2020 - Sputnik Brasil, 1920, 01.07.2022
Policiais ficam de guarda enquanto ativistas pró-democracia marcham em Hong Kong, em 1º de outubro de 2020
A ilha de Hong Kong foi entregue por tempo indeterminado ao Reino Unido de acordo com o Tratado de Nanquim, assinado em 1842 depois de a Grã-Bretanha ter derrotado a China na primeira Guerra do Ópio. Em maio de 1898, os ingleses assumiram o controle sobre todo o território da península de Kowloon por um período de quase um século. Após isso, foram adicionados à ilha de Hong Kong e à parte adjacente da península de Kowloon os chamados "Novos Territórios". O controle britânico sobre os territórios foi temporário.
Em 1982, quando já se aproximava o fim do contrato sino-britânico, a primeira-ministra britânica da época Margaret Thatcher iniciou negociações com o líder da República Popular da China, Deng Xiaoping, sobre o futuro de Hong Kong. Londres planeava combinar em devolver à China só os Novos Territórios, que faziam parte da colônia temporariamente. Por sua vez, Deng Xiaoping insistiu na integração de todo Hong Kong à China e sugeriu assinar uma declaração conjunta de acordo com os princípios do "um país, dois sistemas", garantindo para a colônia a autonomia e o sistema governativo existente.
O documento foi assinado em 1984. Foi também previsto no documento que Hong Kong seria retornada ao "seio da pátria" em 1º de julho de 1997. Segundo a declaração, Hong Kong fica com ampla autonomia até o ano de 2047.
O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, em coletiva de imprensa no escritório do Ministério das Relações Exteriores, Pequim, 6 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 29.06.2022
Panorama internacional
EUA devem parar toda a 'interação oficial com Taiwan', adverte China
Contudo, após a entrada em vigor da Lei de Segurança Nacional de Hong Kong em 30 de junho de 2020, o Ocidente passou a criticar brutalmente a China. Os Estados Unidos tomaram uma série de medidas para cancelar o regime preferencial de comércio com Hong Kong e impuseram sanções contra as autoridades da região administrativa especial. O Reino Unido declarou que Pequim tinha violado seus compromissos jurídicos, em particular, a autonomia ampla de Hong Kong, e usava a Lei de Segurança Nacional para limitar as liberdades da população da região. Pequim nega todas as acusações do Ocidente.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала