Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

China poderia 'colocar Taiwan de joelhos' sem dar um único tiro, diz ex-chefe do Pentágono

© AP Photo / CHINA DAILYSoldados do Exército de Libertação Popular da China (ELP) (arquivo)
Soldados do Exército de Libertação Popular da China (ELP) (arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 24.06.2022
Nos siga noTelegram
Secretário do Departamento de Defesa dos EUA de 2006 a 2011, Robert Gates considera que há poucas probabilidades de a China atacar Taiwan. A opinião dele foi dada no podcast One Decision, na quinta-feira (23).
"Pessoalmente, acho que a probabilidade de uma invasão em grande escala é muito baixa. Chineses nunca realizaram uma operação anfíbia. Teria que ser algo como o Dia D [o desembarque na Normandia dos aliados durante a Segunda Guerra Mundial], teria que ser enorme", disse o ex-secretário de Defesa.
No entanto, Gates observa que Pequim tem outras medidas para "exercer uma enorme pressão" sobre Taipé "sem dar um único tiro" através de medidas cibernéticas e econômicas. Pequim "poderia colocar Taiwan de joelhos e criar enormes estímulos para que Taiwan tenha uma atitude muito diferente em relação à China", frisou.
Enquanto isso, o Ministério da Defesa Nacional de Taiwan relatou ontem (23) a incursão de 22 aviões do Exército de Libertação Popular (ELP) da China no sudoeste da zona de identificação da defesa aérea da ilha (ADIZ, na sigla em inglês).
Vale lembrar que os Estados Unidos aprovaram a venda de peças de reposição avaliadas em US$ 120 milhões (R$ 589 milhões) para ajudar Taiwan a manter seus navios de guerra.
Manobras militares das Forças Armadas da Rússia e do Exército de Libertação Popular da China Leste 2018 - Sputnik Brasil, 1920, 23.06.2022
Panorama internacional
Economista: Ocidente pode sair derrotado em nova 'guerra fria com Rússia e China'
Pequim considera a venda uma ação para desestabilizar a região e minar a soberania e os interesses de segurança do país, além de comprometer a paz no estreito de Taiwan.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала