Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

WSJ: frente unida americano-europeia contra Rússia pode divergir por gás natural

© Sputnik / Sergei Krasnoukhov / Abrir o banco de imagensUma planta de liquefação de gás (imagem referencial)
Uma planta de liquefação de gás (imagem referencial) - Sputnik Brasil, 1920, 16.06.2022
Nos siga noTelegram
A frente unida dos EUA e da Europa contra a Rússia está desintegrando-se devido à crise de combustíveis com os altos preços de gás, escreve o observador do The Wall Street Journal, Jinjoo Lee.
Conforme relembra o autor, na terça-feira (14) ocorreram eventos que agitaram o mercado energético global. Primeiramente, a empresa americana Freeport LNG anunciou que sua fábrica, que produz gás natural liquefeito (GNL) no Texas e que foi fechada após uma explosão em 8 de junho, recomeçará a funcionar apenas no final de 2022. O fechamento da fábrica reduzirá em 18% o volume de exportações do GNL dos EUA e, consequentemente, a Europa receberá menos combustível.
O problema agravou-se com a parada de uma parte das turbinas no Nord Stream, pela Gazprom russa, resultante na queda do volume das entregas de gás para a União Europeia de até 67 milhões de metros cúbicos por dia em vez dos programados 167 milhões. A causa disso foi o atraso no trabalho da empresa alemã Siemens que não conseguiu recuperar a tempo unidades de bombeamento de gás da reparação.
Logotipo da empresa estatal russa Gazprom em São Petersburgo, Rússia, foto publicada em 26 de outubro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 14.06.2022
Panorama internacional
Gazprom anuncia redução de fluxo de gás pelo Nord Stream após atraso de equipe técnica da Siemens
Ambos os eventos provocaram alta brusca nos preços de gás na UE até US$ 1.300 (R$ 6.570) por mil metros cúbicos. A disparada dos preços de combustível, levando ao fechamento dos negócios, "é sal na ferida para o continente", notou Lee.
Mesmo assim, nos próprios Estados Unidos o fechamento da fábrica de GNL no Texas fez diminuir o custo da matéria-prima em 17% graças à redução da exportação para a Europa. Conforme as palavras do colunista, os industriais americanos que perceberam essa próxima ligação podem pressionar para que as entregas na UE se reduzam a fim de manter o nível de preços no seu país. Se conseguirem sua meta, isso causaria uma divisão entre Washington e Bruxelas, acredita o jornalista.
Até agora, os EUA e a Europa mantiveram "a frente unida na política energética". Os EUA até garantiram que serão capazes de fornecer sem problemas aos países europeus o GNL, relembrou Lee. Porém, a queda brusca de custo de gás para um lado e problemas financeiros para o outro lado aumentam o risco de que os interesses das partes divirjam, resumiu ele.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала