Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Turquia não aceitará adesão à OTAN de países que apoiam terrorismo, diz Erdogan

© AP Photo / Presidência da Turquia / HandoutRecep Tayyip Erdogan, presidente turco, durante reunião de gabinete em Ancara, Turquia, 23 de maio de 2022
Recep Tayyip Erdogan, presidente turco, durante reunião de gabinete em Ancara, Turquia, 23 de maio de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 29.05.2022
Nos siga noTelegram
O presidente turco reiterou suas críticas à Suécia e à Finlândia, que diz estarem abrigando grupos terroristas, rejeitando por isso que entrem na OTAN.
Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia, advertiu no domingo (29) que seu país não apoiará a adesão à OTAN de países que apoiam o terrorismo enquanto ele estiver no cargo, relata o canal Haber 3.
Erdogan também sublinhou que as negociações desta semana com a Finlândia e a Suécia para resolver desacordos sobre uma eventual adesão à OTAN não aconteceram "no nível desejado".
Porta-voz do governo turco, Ibrahim Kalin - Sputnik Brasil, 1920, 26.05.2022
Panorama internacional
Finlândia e Suécia só farão parte da OTAN quando exigências da Turquia forem atendidas, diz Ancara
Ele afirmou que nem Helsinque nem Estocolmo tomaram as medidas necessárias para corresponder às exigências da Turquia, para que ambos os países deixem de abrigar representantes de grupos considerados terroristas por Ancara, tais como o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo) e as Unidades de Proteção Popular (YPG, na sigla em curdo), segundo apontou no domingo (29) a agência turca Anadolu.
"Não podemos repetir os erros cometidos no passado ao admitir na OTAN, que é uma organização de segurança, países que abrigam e alimentam esses terroristas", disse o presidente turco.
Além de criticar a proteção de membros do PKK e das YPG, o chefe de Estado tem exigido que a Finlândia e a Suécia os extraditem à Turquia, e que Helsinque e Estocolmo levantem o embargo ao fornecimento de armamentos ao país em resposta à sua incursão no norte da Síria em 2019.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала