Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Risco de guerra nuclear é real e não pode ser subestimado, diz Lavrov

© Sputnik / Assessoria de Imprensa do Ministério das Relações Exteriores da Rússia / Abrir o banco de imagensO ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, participa de reunião com seu equivalente armênio, o chanceler Ararat Mirzoyan, em Moscou, 8 de abril de 2022.
O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, participa de reunião com seu equivalente armênio, o chanceler Ararat Mirzoyan, em Moscou, 8 de abril de 2022. - Sputnik Brasil, 1920, 25.04.2022
Nos siga noTelegram
O chanceler russo, Sergei Lavrov, alertou nesta segunda-feira (25) que o risco de guerra nuclear é real e não pode ser subestimado. O chefe da diplomacia russa também criticou o incentivo à russofobia por parte de lideranças internacionais e a expansão da OTAN em direção à China.
Em entrevista à emissora russa canal de TV Pervy, Lavrov disse que a expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) serve para ampliar o poder dos Estados Unidos.

"Quando eles [OTAN] aceitaram Montenegro, Macedônia do Norte e Albânia, como podem fortalecer a segurança da aliança militar ocidental se essa é uma aliança defensiva? Isso mostra que a OTAN não busca objetivos estatutários, mas a criação de território sob comando dos EUA, em linha com a tentativa de perpetuar o mesmo mundo unipolar", afirmou o chanceler.

Lavrov também afirmou que o Kremlin acredita que as posições da Ucrânia são decididas pelas lideranças ocidentais.

"Assim como antes, muitos de nós estamos convencidos de que a posição real da Ucrânia é determinada em Washington, Londres e outras capitais do Ocidente. Portanto, dizem nossos cientistas políticos, por que falar com o gabinete de [Vladimir] Zelensky? É preciso falar com os norte-americanos e é necessário negociar com eles, chegar a um acordo com eles. Porém nós continuamos negociando com a equipe de Zelensky, e esses contatos continuarão", acrescentou o diplomata.

© Sputnik / Serviço de imprensa do Ministério das Relações Exteriores da RússiaSergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores russo, participa de reunião diplomática em Moscou, Rússia, em 4 de abril de 2022.
Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores russo, participa de reunião diplomática em Moscou, Rússia, foto publicada em 4 de abril de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 25.04.2022
Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores russo, participa de reunião diplomática em Moscou, Rússia, em 4 de abril de 2022.

Risco de conflito nuclear é estimulado de forma artificial

O risco de guerra nuclear é muito significativo e esse perigo não pode ser subestimado enquanto há um esforço de muitos para estimular essa ameaça de forma artificial, disse Lavrov. O chanceler acrescentou que as cinco potências nucleares reafirmaram em janeiro a posição de que a guerra nuclear é inadmissível.

"Essa é nossa posição por princípios, nós partimos daí. [...] Gostaria muito que esses riscos não fossem artificialmente inflados, e há muitos que querem. O risco é sério, é real, e não pode ser subestimado", disse o chanceler russo.

EUA buscam levar OTAN para o mar do Sul da China

O chanceler russo, Sergei Lavrov, também teceu comentários sobre as tensões no sudeste asiático. Segundo ele, os EUA planejam levar a OTAN até a região para conter a China.
"Eles [os países ocidentais] deixam claro que não podemos decidir o que é necessário para a nossa segurança. Eles também vão levar a linha de defesa de sua 'aliança defensiva' para o mar do Sul da China", afirmou.
© AP Photo / Andrew HarnikPrimeiro-ministro australiano, Scott Morrison, o premiê britânico, Boris Johnson, e o presidente americano, Joe Biden, discutem iniciativa AUKUS (pacto militar entre os países dos representantes, Austrália, Reino Unido e EUA) em videoconferência na Casa Branca, Washington, 15 de setembro de 2021.
Primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, o premiê britânico, Boris Johnson, e o presidente americano, Joe Biden, discutem iniciativa AUKUS em videoconferência na Casa Branca, Washington, 15 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 25.04.2022
Primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, o premiê britânico, Boris Johnson, e o presidente americano, Joe Biden, discutem iniciativa AUKUS (pacto militar entre os países dos representantes, Austrália, Reino Unido e EUA) em videoconferência na Casa Branca, Washington, 15 de setembro de 2021.
Lavrov criticou a postura da OTAN e afirmou que a aliança acredita que tem o direito de fazer o que bem entende ao redor do planeta. Segundo ele, essa visão está expressa na recente criação do AUKUS, a aliança entre Austrália, Reino Unido e EUA.

"Os EUA decidem de forma espontânea que algum lugar a dez mil quilômetros de distância é uma ameaça aos seus interesses — seja na Iugoslávia, Iraque ou outros lugares no Oriente Médio —, enviam tropas, bombardeiam infraestrutura civil sem pensar duas vezes, sem problemas legais, sem checar a lei internacional e a Carta da ONU, como fizeram em Belgrado quando explodiram pontes, trens de passageiros e uma emissora de TV", afirmou Lavrov.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала