Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

De volta à África: Europa acelera busca por alternativas ao gás russo ao sul do Mediterrâneo

© AP Photo / Sunday AlambaFoto de arquivo: um trabalhador não identificado da Shell a bordo do navio de petróleo offshore Bonga, na costa da Nigéria, 26 de dezembro de 2011
Foto de arquivo: um trabalhador não identificado da Shell a bordo do navio de petróleo offshore Bonga, na costa da Nigéria, 26 de dezembro de 2011 - Sputnik Brasil, 1920, 18.04.2022
Nos siga noTelegram
A crise na Ucrânia levou muitos membros da União Europeia (UE) a fazer promessas de reduzir drasticamente a compra de gás russo, ou mesmo boicotá-lo completamente sob orientação dos EUA. Especialistas do mercado de energia dizem que os planos são irreais.
A Itália e outras nações da União Europeia (UE) iniciaram uma corrida pela energia africana em busca de alternativas ao gás natural barato e confiável da Rússia.
Na última quarta-feira (13), a gigante italiana de energia Eni assinou um acordo com a Companhia Natural Gas Holding do Egito para aumentar a produção de gás e a exportação de gás natural liquefeito (GNL) para a Europa. A empresa, que já detém participações nos campos de gás do país africano e na planta Damietta LNG, promete que o negócio pode resultar na entrega de até 3 bilhões de metros cúbicos (bcm) de fornecimento de gás egípcio para a Europa antes do final de 2022.
Esse acordo veio logo após a visita do primeiro-ministro italiano Mario Draghi à Argélia, na segunda-feira passada (11) para buscar suprimentos de gás. A Eni e a Sonatrach da Argélia assinaram um acordo para aumentar o comércio bilateral de gás natural para até 9 bcm até 2023-2024. A Eni opera na Argélia desde 1981, com o Norte de África a fornecer gás para Itália e Espanha através de vários gasodutos que atravessam o Mediterrâneo.
A Itália, a terceira maior economia da UE, dependia do gás russo para cerca de 40% de seu consumo em 2021. Roma prometeu encerrar completamente sua dependência de suprimentos russos até 2025, mas enfatizou que interromper completamente as importações atualmente "não está na mesa" da UE neste momento.
Tubulação de gás do Nord Stream-2 na Alemanha - Sputnik Brasil, 1920, 18.04.2022
Panorama internacional
Berlim rejeita ideia de produção de gás de xisto e admite sua dependência da Rússia

'Safari de GNL'

Ao sul do Saara, a Companhia Nacional de Petróleo da Nigéria (NNPC, na sigla em inglês) anunciou na semana passada que embaixadores da União Europeia visitaram o país em busca de uma "parceria reforçada" no setor de energia. A delegação incluiu a enviada da UE Samuela Isopi e embaixadores de Portugal, Espanha, Itália e França. Entretanto, nenhum acordo foi anunciado após as reuniões.
Embaixadores da União Europeia visitam a Nigéria e NNPCgroup na busca pelo fortalecimento de parceria no setor energético
A aceitação dos europeus de seus novos (esperados) parceiros nigerianos ocorre após anos de esforços para deixar de financiar projetos regionais de gás natural por motivos ambientais. No ano passado, o ministro do Meio Ambiente da Nigéria, Mohammad Mahmood Abubakar, acusou as nações ocidentais ricas de deliberadamente "limitar o financiamento de projetos de gás para uso doméstico na África Subsaariana".
No final de março, o Ministro de Estado dos Recursos Petrolíferos da Nigéria, Timipre Sylva, convocou empresas estrangeiras de petróleo e gás, como Eni, Shell e Total, a investir em seu país. Em fevereiro, a vice-presidente da Comissão Europeia, Margrete Vestager, e o vice-presidente nigeriano, Yemi Osinbajo, concordaram em "explorar todas as opções para aumentar o fornecimento de gás natural liquefeito da Nigéria para a UE". Atualmente, mais de 90% do gás do país é comprado pela China.
Na quinta-feira (14), a Bloomberg informou que o italiano Draghi estava planejando realizar uma viagem rápida à África Central e Austral esta semana em busca de acordos de gás com Angola e a República do Congo. De acordo com os cálculos da agência de negócios, a movimentação e negociação de Roma poderia substituir metade ou mais dos suprimentos que atualmente recebe da Rússia. A agência não especificou quanto custariam os novos contratos em comparação com o gás que o país recebe da Gazprom – que há muito é visto como mais competitivo e confiável em termos de custo pela Itália e outros países europeus graças ao uso de gasodutos – em vez de mais caro Terminais de GNL e navios-tanque especiais.
Funcionários trabalham no canteiro de obras do oleoduto Nord Stream 2, nos arredores da cidade de Kingisepp, região de Leningrado, Rússia - Sputnik Brasil, 1920, 15.04.2022
Panorama internacional
UE não substituirá petróleo e gás russos nos próximos 5-10 anos, diz ex-ministro de Energia russo
Draghi cancelou inesperadamente sua viagem à África na segunda-feira (18), dizendo que havia contraído COVID-19 na forma "assintomática". O ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio, e o ministro da Ecologia, Roberto Cingolani, devem prosseguir com a visita.
Draghi declarou explicitamente que o esforço de seu país para se afastar do gás russo é uma decisão política, e não econômica. "Não queremos mais depender do gás russo, porque a dependência econômica não deve se tornar subjugação política. Para isso, precisamos diversificar as fontes de energia e encontrar novos fornecedores", disse ele em entrevista ao jornal Corriere della Sera, no domingo (17).
A Itália e outros países europeus e os Estados Unidos enfrentaram um aumento nos custos de inflação, combustível e custo de vida nas últimas semanas nas consequências auto infligidas de sanções abrangentes impostas à Rússia por sua operação especial militar na Ucrânia.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала