Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Empresário: política dos EUA não permitiu a resolver crise ucraniana e levou à operação russa

© Sputnik / Vladimir TrefilovBandeiras da Rússia e EUA com logo da OTAN ao fundo
Bandeiras da Rússia e EUA com logo da OTAN ao fundo - Sputnik Brasil, 1920, 11.04.2022
Nos siga noTelegram
Os EUA não conseguiram resolver a crise ucraniana e isso levou à operação especial russa na Ucrânia, disse o empresário David Sacks, citado pela revista American Conservative.
Ele apontou que, ao insistir publicamente no direito de Kiev de ingressar na OTAN, os Estados Unidos não tinham verdadeiramente a intenção de integrar a ex-república soviética na aliança. Entretanto, Washington ignorou a posição de Moscou no sentido de que o ingresso da Ucrânia na OTAN era "uma linha vermelha".

"Recusámo-nos a aceder à exigência mais antiga e importante dos russos, apesar de termos admitido em privado na Ucrânia que não tínhamos qualquer intenção de o seguir [integrar a Ucrânia na OTAN]. Em outras palavras, recusamo-nos a fazer aos russos [...] uma concessão que não tinha grande sentido para nós, mas que era de extrema importância para eles", constatou Sacks.

O empresário expressou suas dúvidas relativamente às capacidades diplomáticas dos funcionários do Departamento de Estado, uma vez que, nas últimas duas décadas, os EUA têm resolvido as questões internacionais principalmente por via militar. Ele também qualificou de incompetente a política americana a respeito da Ucrânia.
Na sua opinião, o Departamento de Estado "falhou sua missão diplomática" no período que antecedeu a operação especial russa no território ucraniano.
Boris Yeltsin (à esquerda) e Bill Clinton (à direita), presidentes da Rússia e dos EUA, respetivamente, apertam mãos durante coletiva de imprensa em Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá, 4 de abril de 1993 - Sputnik Brasil, 1920, 10.04.2022
Panorama internacional
OTAN deixou a porta aberta para a Rússia aderir à OTAN, segundo ex-presidente dos EUA
Contudo, o empresário acrescentou que os diplomatas americanos deveriam entender as preocupações de Moscou com a expansão da OTAN. Ele relembrou o enorme potencial militar da aliança e sua participação nos conflitos nos Balcãs e na Líbia.

"Os próprios Estados Unidos estavam dispostos a arriscar um confronto nuclear com os soviéticos por causa das armas ofensivas colocadas a 90 milhas de nossa costa em 1962, mas consideramos a mesma preocupação atual dos russos uma loucura ou um blefe", seguiu.

Em 24 de fevereiro de 2022, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou o início de uma operação especial militar para "desmilitarização e desnazificação da Ucrânia". O Ministério da Defesa insiste que as Forças Armadas da Rússia eliminam instalações da infraestrutura militar ucraniana, sem realizar ataques contra alvos civis em cidades.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала