Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Moscou chama de 'terrorismo' comentário de senador dos EUA que pede 'assassinato' de Putin

© AP Photo / Jacquelyn MartinSenador republicano Lindsey Graham (foto de arquivo).
Senador republicano Lindsey Graham (foto de arquivo). - Sputnik Brasil, 1920, 05.03.2022
Nos siga noTelegram
O senador norte-americano Lindsey Graham sugeriu que a única maneira de parar a operação especial russa na Ucrânia, que começou em 24 de fevereiro, seria alguém na Rússia assassinar o presidente, Vladimir Putin.
Depois da afirmação ter chocado funcionários da Casa Branca, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia convocou o embaixador dos EUA John Sullivan para entregar uma nota de protesto.

"John Sullivan foi notificado de que tal declaração é qualificada pelo Código Penal da Rússia como um atentado contra a vida de um estadista e implica graves consequências, incluindo a acusação", disse o Ministério das Relações Exteriores russo.

O ministério ressaltou que, a menos que Moscou veja uma resposta do governo dos EUA à declaração de Graham, a difícil relação bilateral sofrerá ainda mais.
O senador norte-americano Lindsey Graham questionou em suas redes sociais se há "um Brutus" ou "coronel Stauffenberg mais bem-sucedido" na Rússia, referindo-se ao assassino de Júlio César e a um oficial do Exército alemão que tentou, sem sucesso, matar Adolf Hitler em 1944.
Graham sugeriu que a pessoa que conseguisse "tirar esse cara" estaria fazendo à Rússia e ao mundo "um grande serviço".
"As únicas pessoas que podem consertar isso são o povo russo. Fácil de dizer, difícil de fazer. A menos que você queira viver na escuridão para o resto de sua vida, ficar isolado do resto do mundo na pobreza abjeta e viver na escuridão, você precisa se impor", disse Graham, referindo-se às sanções que os EUA e seus aliados têm aplicado à Rússia desde o início de sua ação militar na Ucrânia.
© AP Photo / Mikhail Palinchak/Presidential Press ServicePresidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, e senadores John McCain e Lindsey Graham felicitam militares ucranianos pelo Ano Novo, 31 de dezembro de 2017.
Presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, e senadores John McCain e Lindsey Graham, durante sua visita, felicitam militares ucranianos pelo Ano Novo, 31 de dezembro de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 05.03.2022
Presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, e senadores John McCain e Lindsey Graham felicitam militares ucranianos pelo Ano Novo, 31 de dezembro de 2017.
O presidente russo anunciou em 24 de fevereiro o lançamento de uma "operação militar especial" na Ucrânia, alegando que as repúblicas populares de Donetsk (RPD) e Lugansk (RPL), anteriormente reconhecidas por Moscou como Estados soberanos, precisavam de ajuda diante do "genocídio" protagonizado por Kiev.
Um dos objetivos fundamentais dessa operação, segundo Putin, é a "desmilitarização e desnazificação" do país vizinho.
O chefe de Estado russo pediu aos uniformizados e civis ucranianos que não resistissem à ação e alertou que a Rússia responderia imediatamente a qualquer força externa que a ameaçasse ou atrapalhasse.
Caro visitante, tendo em vista o risco de a Sputnik Brasil sofrer bloqueios na Internet, para não perder nosso conteúdo, se inscreva em nosso canal no Telegram.
Veículo de transporte das Forças Armadas da Rússia perto da fronteira com Ucrânia, 2 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 05.03.2022
Panorama internacional
10º dia da operação especial da Rússia na Ucrânia
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала