Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Equipe de Biden está 'mais que disposta' a correr riscos de guerra regional na Ucrânia, diz analista

© REUTERS / Casa BrancaPresidente dos EUA, Joe Biden, durante encontro do Conselho de Segurança Nacional sobre o desenvolvimento da situação na fronteira ucraniana, Washington, 20 de fevereiro de 2022
Presidente dos EUA, Joe Biden, durante encontro do Conselho de Segurança Nacional sobre o desenvolvimento da situação na fronteira ucraniana, Washington, 20 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 03.03.2022
Nos siga noTelegram
Presidente dos EUA e seus conselheiros parecem estar "mais que dispostos" a correr riscos de uma guerra regional contínua na Ucrânia e de consequências para os países vizinhos para continuar a alimentar o conflito que envolve a Rússia, disse à Sputnik Karen Kwiatkowski, ex-analista do Pentágono e tenente-coronel aposentada da Força Aérea dos EUA.
Na semana passada, a Rússia lançou uma operação especial para desmilitarizar e "desnazificar" a Ucrânia após as repúblicas populares de Donetsk e Lugansk pedirem assistência para se defender dos ataques intensificados das forças ucranianas.
O Ministério da Defesa russo disse que está visando apenas locais e equipamentos militares da Ucrânia e que os civis estavam seguros. Em resposta, o Ocidente impôs ainda mais sanções contra Moscou e decidiu incrementar a assistência militar à Ucrânia, incluindo de armas letais.
"Os conselheiros de Biden estão mais que dispostos a arriscar uma guerra regional, crises humanitárias regionais e custos de energia mais elevados pela Ucrânia e seus vizinhos europeus", disse Kwiatkowski.
Desde 2009 os EUA têm pressionado fortemente para que a Ucrânia se junte à OTAN e sob ambos os presidentes, Donald Trump e Joe Biden, ajuda militar dos EUA e armas têm sido vendidas e entregues por várias vezes, observou ex-analista do Pentágono.
"Essas ações, tal como se pretendia, escalaram o conflito. Esta é a política dos EUA e da OTAN e foi citada por Putin na semana passada como uma razão para o reconhecimento por Moscou das duas repúblicas [populares] no leste e seus ataques militares contra as capacidades militares, laboratórios químicos e biológicos e comando e controle político da Ucrânia", comentou Kwiatkowski.
Um relatório publicado há três anos por um think tank muito influente dos EUA RAND Corporation deu informações importantes sobre os objetivos e metodologias da formulação de políticas de Washington sobre a Ucrânia, ressaltou.
Militares ucranianos na linha de frente perto da cidade de Novolugansky na região de Donetsk, 20 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 03.03.2022
Panorama internacional
Regime de Kiev usa métodos de combate proibidos, viola direito internacional, diz Defesa russa
O relatório do think tank RAND Corporation intitulado "Sobrecarregando e desiquilibrando a Rússia: avaliação dos impactos das opções de imposição de custos" observa que era desejável o fornecimento de ajuda letal a Ucrânia, mas precisaria ser "cuidadosamente calibrado" para não provocar conflito com a Rússia além da Ucrânia, disse Kwiatkowski.
"O estudo da RAND avaliou o custo e o risco de uma variedade de ações dos EUA e da OTAN, todas orientadas para desestabilizar a Rússia", conclui ela.
Nesta quinta-feira (3), o presidente russo Vladimir Putin afirmou em conversa telefônica com o presidente francês Emmanuel Macron que a Rússia pretende concluir sua operação contra os nacionalistas para proteger Donbass, informou o Kremlin.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала