Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta sexta-feira, 4 de março

© AP Photo / Francois MoriPresidente francês, Emmanuel Macron, na entrada do Palácio de Elysée, Paris, 28 de fevereiro de 2022
Presidente francês, Emmanuel Macron, na entrada do Palácio de Elysée, Paris, 28 de fevereiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2022
Nos siga noTelegram
Bom dia! A Sputnik Brasil está acompanhando as matérias mais relevantes desta sexta-feira (4), marcada pelo incêndio na usina nuclear no sul da Ucrânia, pelo lançamento da candidatura do presidente francês ao segundo mandato e pela substituição das importações de gás russo iniciada por Berlim.

Em conversa telefônica, Bolsonaro e Boris Johnson concordaram em pedir cessar-fogo na Ucrânia

Nesta quinta-feira (3), o presidente Jair Bolsonaro teve uma conversa telefônica com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que durou 15 minutos. Segundo a informação divulgada pelo governo do Reino Unido, os mandatários discutiram a operação militar especial da Rússia na Ucrânia e concordaram em "pedir um cessar-fogo urgente" no país do Leste Europeu. O Planalto ainda não comentou o telefonema. Os dois líderes afirmaram acreditar na "importância da estabilidade global" e ressaltaram que "a paz deve prevalecer". O premiê apontou que "civis inocentes estão sendo mortos e cidades destruídas", e que os dois países devem "cobrar o fim da violência" na Ucrânia. Boris Johnson também afirmou que espera cooperar com Bolsonaro em assuntos bilaterais como segurança e comércio.
© AFP 2022 / MICHAEL M. SANTIAGOPresidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante reunião bilateral na residência da embaixada do Reino Unido em Nova York, 20 de setembro de 2021
Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante reunião bilateral na residência da embaixada do Reino Unido em Nova York, 20 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2022
Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante reunião bilateral na residência da embaixada do Reino Unido em Nova York, 20 de setembro de 2021

COVID-19 no Brasil: Anvisa pede flexibilização das normas sanitárias para quem chega da Ucrânia

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária emitiu ontem (3) um pedido à Casa Civil para flexibilizar as normas sanitárias para quem chega ao Brasil fugindo do conflito na Ucrânia. De acordo com o pedido, a vacinação completa não é obrigatória, mas apenas incentivada. As pessoas com testes para a COVID-19 positivos devem ser acomodadas de tal modo que fiquem distantes de outros passageiros. Vale destacar que nas últimas 24 horas, o Brasil confirmou mais 564 mortes e 66.908 casos de COVID-19, totalizando 650.646 óbitos e 28.906.214 diagnósticos da doença, informou o consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa. Assim, a média móvel de mortes pela doença fica abaixo da marca de 500 pela primeira vez desde o fim de janeiro. Nesse contexto, o governo do Rio de Janeiro publicou um decreto permitindo que cada município decida sobre o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção a partir da próxima segunda-feira (7).
© Folhapress / Fábio TeixeiraAeroporto Internacional Tom Jobim, também conhecido como Aeroporto do Galeão, na zona norte do Rio de Janeiro
Aeroporto Internacional Tom Jobim, também conhecido como Aeroporto do Galeão, na zona norte do Rio de Janeiro - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2022
Aeroporto Internacional Tom Jobim, também conhecido como Aeroporto do Galeão, na zona norte do Rio de Janeiro

Incêndio na usina nuclear ucraniana: EUA não registram aumento do nível de radiação na instalação

A usina nuclear de Zaporozhie, no sul da Ucrânia, informou na noite desta sexta-feira (4) sobre um incêndio que deflagrou em seu território. A instalação encontra-se na cidade de Energodar e é a maior usina nuclear na Europa. Na segunda-feira (28), o Ministério da Defesa da Rússia informou que as tropas russas assumiram o controle sobre a cidade. O incêndio na usina atingiu cerca de 2.000 metros quadrados, segundo o Serviço de Emergência Estatal ucraniano. O fogo foi extinguido às 06h20, no horário local, e, de acordo com os dados da entidade, não foram registradas vítimas. A Agência Internacional de Energia Atômica disse também que o incêndio não afetou o equipamento essencial da usina, enquanto o Departamento de Energia dos EUA confirmou não ter detectado aumento do nível de radiação no local. Boris Johnson prometeu em telefonema com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, que vai organizar uma reunião emergencial do Conselho da Segurança da ONU em relação ao incidente.
© REUTERS / Usina Nuclear de ZaporozhieCâmera de vigilância mostra incêndio na usina nuclear de Zaporozhie, Ucrânia, 4 de março de 2022
Câmera de vigilância mostra incêndio na usina nuclear de Zaporozhie, Ucrânia, 4 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2022
Câmera de vigilância mostra incêndio na usina nuclear de Zaporozhie, Ucrânia, 4 de março de 2022

Macron se recandidata à presidência da França

O presidente francês, Emmanuel Macron, em uma carta aberta à nação, anunciou oficialmente sua intenção de participar das eleições presidenciais, programadas para abril. "Estou pedindo sua confiança para um novo mandato como presidente da República. Sou um candidato que vai criar com vocês, diante dos desafios do século, uma resposta francesa e europeia única", escreve o chefe de Estado nesta carta, publicada por uma série de mídias francesas. De acordo com a pesquisa de intenções de voto realizada pelo grupo BVA, Macron e Marine Le Pen poderão obter no primeiro turno das eleições 29% e 16% dos votos respectivamente. No segundo turno, em disputa com Le Pen, o atual presidente deve obter cerca de 60% dos votos dos eleitores franceses. A pesquisa foi realizada em 1-2 de março, com participação de 1,5 mil respondentes.
© REUTERS / PASCAL ROSSIGNOLEmpregado segura cópia do jornal regional francês com anúncio da candidatura de Emmanuel Macron às eleições presidenciais, França, 4 de março de 2022
Empregado segura cópia do jornal regional francês com anúncio da candidatura de Emmanuel Macron às eleições presidenciais, França, 4 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2022
Empregado segura cópia do jornal regional francês com anúncio da candidatura de Emmanuel Macron às eleições presidenciais, França, 4 de março de 2022

Scholz: Alemanha começa a substituir importação de gás da Rússia

Berlim começou a substituir as importações de gás a partir da Rússia por meio de entregas de outros países, mas ainda compra alguns combustíveis fósseis da Rússia, disse o chanceler alemão, Olaf Scholz. "Nos preparamos para comprar gás em qualquer outro lugar, nós já fazíamos isso e continuamos fazendo", afirmou Scholz à emissora ZDF, acrescentando que a Alemanha ainda está comprando gás, petróleo e carvão da Rússia. Ressaltou ainda que a decisão de suspender o gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2) ocorreu na hora certa. O líder saudou a iniciativa da OTAN de não aderir a Ucrânia e a Geórgia na aliança no ano passado: "Foi uma decisão correta, após prolongadas negociações na OTAN sobre o assunto". Scholz também confirmou que a OTAN nunca teve quaisquer planos para instalar mísseis no território ucraniano. "Ele [o presidente russo Vladimir Putin] manifestou preocupações de que a OTAN planeja implantar mísseis na Ucrânia que podem atingir Moscou - ninguém tinha tais planos."
© REUTERS / RONEN ZVULUNChanceler alemão, Olaf Scholz, durante sua visita ao Centro Mundial de Homenagem do Holocausto Yad Vashem em Jerusalém, 2 de março de 2022
Chanceler alemão, Olaf Scholz, durante sua visita ao Centro Mundial de Homenagem do Holocausto Yad Vashem em Jerusalém, 2 de março de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2022
Chanceler alemão, Olaf Scholz, durante sua visita ao Centro Mundial de Homenagem do Holocausto Yad Vashem em Jerusalém, 2 de março de 2022

Coreia do Sul consegue exclusão das sanções americanas aplicadas à Rússia

Seul conseguiu a exclusão de seu país das sanções de Washington contra a Rússia em troca de seu próprio controle de exportação, confirmou hoje, sexta-feira (4) o Ministério do Comércio, Indústria e Energia do país. Anteriormente foi relatado que a Coreia do Sul tentou acordar para que seus fabricantes não fossem incluídos na chamada Regra do Produto Estrangeiro Direto (FDPR, na sigla em inglês). Segundo essa, as empresas de países terceiros que fabricam produtos no exterior com o uso de tecnologias americanas devem obter uma licença do governo dos EUA antes de exportar seus produtos para a Rússia. O lado norte-americano confirmou a exclusão de Seul da FDPR. Por sua vez, o lado sul-coreano anunciou apenas o controle de exportação de materiais estratégicos. A decisão sobre outras categorias de produtos será tomada brevemente após consultas adicionais.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала