Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA estariam negociando gás natural para Europa com Catar para reduzir dependência do gás russo

© AP Photo / Lukasz Szelemej / ArquivoNesta foto de arquivo, o gigantesco navio-tanque de gás natural liquefeito Al Nuaman no porto báltico de Swinoujscie, Polônia, transportando cerca de 200.000 metros cúbicos de gás liquefeito do Catar, em 11 de dezembro de 2015
Nesta foto de arquivo, o gigantesco navio-tanque de gás natural liquefeito Al Nuaman no porto báltico de Swinoujscie, Polônia, transportando cerca de 200.000 metros cúbicos de gás liquefeito do Catar, em 11 de dezembro de 2015 - Sputnik Brasil, 1920, 22.01.2022
Nos siga noTelegram
Esforços semelhantes foram relatados anteriormente pela Reuters. A mesma matéria afirmou que as empresas globais de energia alertaram Washington que seria muito difícil substituir o fornecimento de gás russo para a Europa devido à capacidade limitada de produção global.
O governo dos EUA está conversando com o Catar para garantir embarques de seu gás natural liquefeito (GNL) para a Europa carente de gás, onde os preços estão subindo por causa de reservatórios meio vazios e escassez de suprimentos de todas as fontes, informou a Bloomberg citando fontes anônimas.
A notícia vem em meio às contínuas tensões em torno da Ucrânia e rodadas de alarmismo do Ocidente de que a Rússia pode fechar sua válvula de gás para pressionar a União Europeia (UE), algo que Moscou nega.
De acordo com a Bloomberg, o presidente Joe Biden quer convidar emir do Catar Sheikh Tamim bin Hamad Al Thani, para a Casa Branca no final deste mês. A suposta reunião está em andamento há algum tempo, acrescentou a fonte. A embaixada do Catar nos EUA ainda não comentou o caso.
A Casa Branca está tentando garantir embarques de gás do Catar, o maior produtor mundial de GNL, para a Europa, a fim de aliviar as preocupações de seus aliados com a escassez de combustível. Um relatório anterior da Reuters, citando fontes da indústria de energia, também afirmou que Washington estava buscando maneiras de substituir o gás russo no mercado de energia europeu.
A matéria sugere que Washington terá dificuldade em atingir esse objetivo já que várias empresas internacionais de energia disseram ao Departamento de Estado dos EUA que será muito difícil neste momento substituir o suprimento de gás russo para a Europa. Isso deveria ser principalmente devido à capacidade limitada de aumentar a produção de gás no curto prazo.
Vladimir Zelensky, presidente ucraniano, durante discurso a embaixadores do país em Guta, Ucrânia, 21 de dezembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.01.2022
Panorama internacional
Líder ucraniano insta 'amigos no Senado dos EUA' a sancionarem Nord Stream 2

Escassez de gás e sanções russas

No momento, a maior parte do GNL do mundo, inclusive do Catar, vai para os mercados asiáticos. Os EUA querem explorar as possibilidades do país de expandir sua produção para ajudar os europeus, disse a Bloomberg. O governo Biden está preocupado há algum tempo com o fornecimento de gás à UE à luz das tensões em curso com a Rússia. Os países ocidentais acusaram a Rússia de reunir tropas perto da fronteira com a Ucrânia e chegaram a alegar que Moscou planeja uma invasão, embora o Kremlin negue veementemente tais acusações.
Washington tem tentado coordenar com a UE as respostas em sanções caso a Rússia invada a Ucrânia e se gabou repetidamente de chegar a um consenso sobre o assunto. No entanto, a Bloomberg afirma que os EUA estão realmente frustrados com a forma como as negociações estão indo.
Essas conversas coincidiram com as conversas dos políticos europeus sobre como a Rússia pode usar seu controle sobre as válvulas de gás para pressionar politicamente a UE, e acusou Moscou de criar artificialmente a crise do gás, embora a escassez esteja sendo sentida globalmente e o Kremlin tenha garantido que a Rússia fornecerá combustível de acordo com seus contratos. Os reservatórios de gás europeus foram quase esvaziados no inverno passado e não foram preenchidos em 2021 porque a maior parte do GNL foi comprada pelos países asiáticos.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала