Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Casa Branca: EUA responderão de 'forma decisiva' se Rússia enviar forças militares à América Latina

© AP Photo / Susan WalshO conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, durante coleitva na Casa Branca, em Washington, em 7 de dezembro de 2021
O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, durante coleitva na Casa Branca, em Washington, em 7 de dezembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 13.01.2022
Nos siga no
Os Estados Unidos responderão "de forma decisiva" caso a Rússia envie suas forças militares à América Latina, afirmou o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, nesta quinta-feira (13).

"Isso não foi levantado em discussões no diálogo de estabilidade estratégica. Se a Rússia avançasse nessa direção, lidaríamos com isso de forma decisiva", disse Sullivan durante coletiva de imprensa, ao comentar declaração do vice-ministro das Relações Exteriores, Sergei Ryabkov, de que Moscou não descarta presença militar na América Latina.

Mais cedo nesta quinta-feira (13), Ryabkov afirmou que "não pode confirmar, nem excluir" a possibilidade de a Rússia enviar recursos militares à América Latina se os EUA e seus aliados não reduzirem atividades militares perto das fronteiras da Rússia.
"Tudo depende da ação de nossos colegas americanos", disse o ministro em entrevista à rede de televisão russa RTVI, citando a advertência do presidente russo, Vladimir Putin, de que Moscou poderia tomar "medidas técnico-militares" não especificadas se os EUA e seus aliados não atenderem às suas demandas.
Ryabkov liderou uma delegação russa em negociações com os EUA na última segunda-feira (10). As negociações em Genebra e a reunião Rússia-OTAN em Bruxelas ocorreram devido ao aumento das tensões envolvendo os conflitos na Ucrânia.
Bandeira europeia é vista no carro do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em sua chegada para uma reunião com o presidente francês Emmanuel Macron no Palácio do Eliseu, em Paris, na França, em 11 de janeiro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 13.01.2022
Panorama internacional
UE prorroga sanções econômicas contra a Rússia por mais 6 meses
A Rússia já afirmou não ter planos de atacar o país vizinho e reagiu à sugestão acusando a OTAN de ameaçar seu território e exigindo que a aliança militar não incorpore a Ucrânia ou qualquer outra nação ex-soviética como novos membros.
Washington e seus aliados rejeitaram a demanda russa nesta semana, mas as delegações da OTAN e da Rússia concordaram em deixar a porta aberta para novas negociações sobre controle de armas e outras questões destinadas a reduzir o potencial de hostilidades.
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала