- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

COVID-19: Ministério da Saúde anuncia data do início da 3ª dose em idosos e imunossuprimidos

© Folhapress / Agif / Rogerio CapelaEm Campinas, interior de São Paulo, o ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, discursa durante cerimônia de entrega de um milhão de doses da vacina da Pfizer/BioNTech contra a COVID-19, em 29 de abril de 2021
Em Campinas, interior de São Paulo, o ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, discursa durante cerimônia de entrega de um milhão de doses da vacina da Pfizer/BioNTech contra a COVID-19, em 29 de abril de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 25.08.2021
Nos siga noTelegram
De acordo com o ministro Marcelo Queiroga, a pasta decidiu começar a vacinar com a terceira dose em meados de setembro porque nessa data toda a população com mais de 18 anos já deve ter sido vacinada com pelo menos a primeira dose.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta quarta-feira (25) que a terceira dose da vacina contra a COVID-19 vai começar a ser aplicada a partir do dia 15 de setembro em idosos com mais de 70 anos e imunossuprimidos.

​"Nos reunimos ontem [24 de agosto] com a OPAS [Organização Pan-Americana de Saúde] e com o comitê técnico que assessora a imunização e tomamos a decisão", afirmou Queiroga ao jornal Folha de S. Paulo.

De acordo com o ministro, em 10 de setembro a pasta terá finalizado a distribuição de imunizantes para a aplicação da primeira dose em toda a população do Brasil com mais de 18 anos, o que abre espaço para a logística da terceira dose.

​A aplicação nos idosos seguirá ordem cronológica, do mais velho para o novo. O Ministério da Saúde aguarda a conclusão de um estudo para decidir como será a aplicação da terceira dose em profissionais de saúde e pessoas com menos de 70 anos.

Também a partir de 15 de setembro, o Ministério da Saúde vai reduzir o intervalo da aplicação da segunda dose das vacinas da Pfizer/BioNTech e AstraZeneca das atuais 12 semanas para oito semanas.

O Brasil confirmou mais 885 mortes e 31.722 casos de COVID-19 na terça-feira (24), totalizando 575.829 óbitos e 20.615.008 diagnósticos da doença, informou o consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала