Vingança final do Irã pela morte de Soleimani seria expulsão dos EUA do Oriente Médio, diz analista

© REUTERS / Khaled AbdullahPessoas participam de vigília que marca um ano do assassinato do comandante militar iraniano, general Qassem Soleimani, e do chefe da milícia xiita iraquiana, Abu-Mahdi al-Muhandis
Pessoas participam de vigília que marca um ano do assassinato do comandante militar iraniano, general Qassem Soleimani, e do chefe da milícia xiita iraquiana, Abu-Mahdi al-Muhandis  - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um ano após o assassinato de Qassem Soleimani, o povo do Irã está ainda indignado com os EUA, afirma especialista da República Islâmica.

Segundo Mohammed Marandi, analista político da Universidade de Teerã, embora o Irã tenha respondido à morte do general com ataques de mísseis a bases usadas por norte-americanos no Iraque, a resposta mais importante ainda está por vir.

"Os iranianos estão furiosos hoje [3], assim como estavam há um ano, quando ele [Qassem] foi assassinado", comentou especialista à Sputnik.

 

Comandante insubstituível?

Para o povo iraniano, Soleimani era um soldado louvado e dedicado, leal ao governo, mas para Israel e seus aliados, o major-general era encarado como um suspeito de ajudar a formar e treinar milícias no Oriente Médio ameaçadoras para Israel.

Tel Aviv afirma que Soleimani, que era o comandante da Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês), enviou reforços à Síria para lutar com as forças leais ao presidente sírio Bashar Assad e ao Iraque para lutar contra o Daesh, a Al-Qaeda (ambas organizações terroristas proibidas na Rússia e em outros países) e suas facções afiliadas.

Por sua vez, Irã negou ter enviado tropas para Síria, dizendo que apenas enviou ao país árabe conselheiros militares.

As conquistas de Qassem Soleimani e a sua importância eram tão evidentes que seu assassinato desencadeou uma série de análises sugerindo que o Irã nunca seria capaz de se recuperar da perda do major-general. No entanto, Marandi diz que o Irã "não depende de indivíduos".

© REUTERS / Agência de notícias Wana Iraniano segura foto do falecido general Qassem Soleimani, comandante da Força Quds (foto de arquivo)
Vingança final do Irã pela morte de Soleimani seria expulsão dos EUA do Oriente Médio, diz analista - Sputnik Brasil
Iraniano segura foto do falecido general Qassem Soleimani, comandante da Força Quds (foto de arquivo)

"Quando [aiatolá] Khomeini faleceu em 1989, os chamados especialistas ocidentais afirmavam que a Revolução Iraniana tinha acabado, por ele ser uma figura influente e – com acreditavam – insubstituível. Mas o que eles não entenderam é que Irã tem estruturas e instituições; temos pessoas muito competentes e cultas que sabem o que estão fazendo mesmo depois de [um general tão importante] ter morrido", ressaltou Marandi.

Vingança está por vir

Poucos dias depois do assassinato de Soleimani, Irã contra-atacou EUA, lançando mísseis em bases com soldados norte-americanos no Iraque. Na época, o presidente norte-americano, Donald Trump, alegou que a resposta foi mínima e sem importância, porém uma operação iraniana expôs as vulnerabilidades americanas e foi, de acordo com Marandi, apenas uma resposta ao "assassinato de Soleimani”.

"Todos os nossos mísseis atingiram os seus alvos e os danos foram grandes. Mas foi somente uma resposta, e não a resposta [mais importante], enquanto a nossa resposta final vai ser quando os americanos forem expulsos do Iraque, da Síria e do Afeganistão", defende analista político.

A retirada contínua de forças dos EUA do Iraque e do Afeganistão pode ser uma indicação de que Washington não está interessado em incrementar as tensões, e Marandi está seguro de que isso está associado à compreensão dos americanos de que "Irã é um jogador forte demais para ser derrotado em uma guerra convencional".

O presidente eleito Joe Biden prometeu voltar à mesa de negociações com Teerã e restaurar o acordo nuclear, mas, para o analista político iraniano, a nova administração dos EUA não é garantia de melhorias nas relações.

"Não importa quem é o presidente dos EUA. A atitude deles não é alterada com a mudança de presidentes. E a menos que Washington mude o seu comportamento de forma fundamental e comece a se comportar como um país normal, os iranianos não têm outra opção senão mostrar força, porque esta parece ser a única coisa que os americanos sabem respeitar", notou Marandi.

Em 3 de janeiro de 2020, um ataque aéreo norte-americano em Bagdá vitimou o general Qassem Soleimani, então comandante da Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã e uma das figuras mais respeitadas no Irã, gerando grande indignação.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала