Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Trump é a maior fonte de desinformação sobre COVID-19 no mundo, aponta estudo

© REUTERS / Leah Millis Presidente dos EUA, Donald Trump mostra gráfico durante briefing de imprensa sobre combate à COVID-19, na Casa Branca, Washington, EUA, 16 de setembro de 2020
Presidente dos EUA, Donald Trump mostra gráfico durante briefing de imprensa sobre combate à COVID-19, na Casa Branca, Washington, EUA, 16 de setembro de 2020  - Sputnik Brasil
Nos siga no
Uma pesquisa realizada pela Universidade de Cornell, nos EUA, apontou que o presidente norte-americano, Donald Trump, é responsável pelo maior número de desinformação sobre COVID-19 no mundo.

O estudo analisou mais de 38 milhões de publicações sobre o novo coronavírus em todo o mundo entre 1º de janeiro e 26 de maio de 2020, sendo que 1,1 milhão destas notícias eram falsas (cerca de 3%).

De acordo a pesquisa, o presidente dos EUA, Donald Trump, foi mencionado como fonte em 37,9% das publicações incorretas sobre a COVID-19, entre as quais apenas 16,4% foram checadas pela mídia, "o que sugere que a maioria foram simplesmente divulgadas sem qualquer interferência".

© REUTERS / Tom BrennerPresidente dos EUA, Donald Trump, discursa em comício em Minnesota
Trump é a maior fonte de desinformação sobre COVID-19 no mundo, aponta estudo - Sputnik Brasil
Presidente dos EUA, Donald Trump, discursa em comício em Minnesota

A equipe da Aliança pela Ciência da Cornell, do Departamento de Desenvolvimento Global da Universidade de Cornell, identificou 11 categorias de falsas notícias, como a disseminação de curas milagrosas e teorias da conspiração, que foram as maiores fontes de fake news.

"Embora se possa esperar uma sobreposição substancial entre esses subtópicos, dada a proeminência do presidente Trump dentro do tema das 'curas milagrosas', esses resultados reforçam nossa conclusão de que o presidente dos Estados Unidos foi provavelmente o maior impulsionador de desinformação durante a pandemia da COVID-19", diz a pesquisa.

O estudo também avaliou o impacto das publicações falsas sobre a COVID-19 nas redes sociais, identificando mais de 36 milhões de interações.

"A desinformação sobre a COVID-19 é uma séria ameaça à saúde pública global. Se as pessoas são enganadas por afirmações não comprovadas sobre a natureza e o tratamento da doença, é menos provável que sigam os conselhos oficiais de saúde e, assim, contribuam para a propagação da pandemia e representem um perigo para si mesmas e para os outros", afirma o documento.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na madrugada desta sexta-feira (2) que ele e a primeira-dama, Melania Trump, testaram positivo para a COVID-19.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала