Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Pequenas galáxias 'mortas' poderiam renascer, garantem pesquisadores

Nos siga no
Em um estudo recente sobre galáxias anãs, cientistas demonstraram que pequenas galáxias "mortas" podem voltar a ganhar vida com o tempo, embora não seja um processo rápido.

A descoberta foi adiantada pelo portal científico Science News, tendo o estudo sido liderado por Martin Rey do Observatório Lund, na Suécia.

Segundo os cientistas, ao contrário da Via Láctea, que é composta por centenas de bilhões de estrelas, a maioria das galáxias anãs tem apenas entre 100 milhões e alguns bilhões de estrelas.

Estas pequenas galáxias, onde não há formação de novas estrelas, são muitas vezes por isso consideradas "mortas", mas os pesquisadores estabeleceram, efetuando simulações, que elas poderiam, contudo, renascer" ainda que a influência das velhas estrelas sobre o gás galáctico se tenha desvanecido.

Em geral, o nascimento de uma estrela começa com a contração de nuvens de gás e poeira. De acordo com o estudo, a formação de novas estrelas só é possível se todos os critérios necessários, incluindo os relativos a certas características do gás galáctico, forem cumpridos.

CC BY 2.0 / ESO/P. Horálek / Within ReachVia Láctea aparece no céu por cima do Observatório Paranal, localizado no deserto chileno do Atacama
Pequenas galáxias 'mortas' poderiam renascer, garantem pesquisadores - Sputnik Brasil
Via Láctea aparece no céu por cima do Observatório Paranal, localizado no deserto chileno do Atacama

Os cientistas determinaram agora que as velhas estrelas "agitam" e aquecem o gás necessário para o aparecimento de "estrelas jovens" nestas galáxias.

Para estudar o fenômeno, a equipe realizou uma simulação computadorizada da interação entre gases, estrelas e matéria escura em galáxias anãs.

Durante a simulação, os pesquisadores descobriram que, em teoria, galáxias "mortas" poderiam dar origem a novas estrelas se a galáxia acumular a quantidade de gás necessária para a sua formação. Este processo, contudo, poderia levar vários bilhões de anos, concluíram os cientistas.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала