Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Como e por que Pyongyang poderia iniciar confronto armado com Seul?

© REUTERS / Kim Hong-JiFerry norte-coreano Mangyongbong-92 no porto de Donghee, Coreia do Sul, 6 de fevereiro de 2018
Ferry norte-coreano Mangyongbong-92 no porto de Donghee, Coreia do Sul, 6 de fevereiro de 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga no
As relações entre as duas Coreias continuam tensas e esta situação, juntamente com a combinação de interdependência e concorrência entre EUA e China, leva os analistas a refletirem sobre a questão.

Entre 1950 e 1953, as duas Coreias se envolveram em um confronto armado no qual Pyongyang teve o apoio da União Soviética e da China, enquanto Seul foi apoiada pelos EUA e seus aliados.

Na opinião do analista Robert Farley, professor da Universidade de Kentucky (EUA), a "melhor esperança" de Pyongyang em condições de paz, em assuntos marítimos e segurança nacional, seria o colapso do sistema capitalista global.

Já em uma situação de guerra, o seu sucesso dependeria de uma rápida derrota de Seul e da escala do apoio de Pequim para pôr fim à guerra o mais rapidamente possível e garantir lucros, explica o professor à revista norte-americana The National Interest.

'Atingir a defesa'

Para Farley, a possibilidade de intervenção de Pequim é bastante elevada, embora não devido à sua afinidade com a Coreia do Norte mas para impedir que os EUA ou o Japão reforcem a sua posição na região do Pacífico, uma vez que Tóquio é outro ator-chave que não poderia ficar fora da situação.

O professor opina que, em caso de guerra, a Coreia do Norte optaria por "um ataque clássico com armas combinadas" como no século XX, ou seja, envolvendo todos os ramos das Forças Armadas.

Segundo o especialista, Pyongyang usaria a artilharia para "atingir a defesa" de Seul, "enfraquecer suas posições e criar pânico entre a população", a infantaria para "criar brechas em suas fileiras", além de enviar tropas regulares na retaguarda sul-coreana "através de túneis" e recorrer a "forças especiais" que estariam na Coreia do Sul antes do início das hostilidades.

© AP Photo / Ministério da Defesa da Coreia do Sul Navio da marinha sul-coreana dispara míssil durante exercício no mar do Leste da Coreia do Sul
Como e por que Pyongyang poderia iniciar confronto armado com Seul? - Sputnik Brasil
Navio da marinha sul-coreana dispara míssil durante exercício no mar do Leste da Coreia do Sul

Como a Força Aérea norte-coreana tem "pouca capacidade", em comparação com os caças sul-coreanos, Pyongyang poderia compensar esta deficiência com os seus grandes arsenais de mísseis de cruzeiro de ataque ao solo e mísseis balísticos de curto alcance. Além disso, os norte-coreanos utilizariam submarinos para proteger seu litoral e atacar os principais portos e navios sul-coreanos.

Capacidades insuficientes?

Apesar de a Coreia do Norte ser um dos países mais militarizados do mundo, ainda assim é uma potência militar relativamente pequena em comparação com os EUA e a China, e a maioria dos analistas acredita que não tem capacidade suficiente para derrotar o Exército sul-coreano, sendo mais vantajoso para a Coreia do Norte preservar a paz.

"No entanto, não podemos descartar que as circunstâncias políticas mudem de tal forma que a Coreia do Norte se desespere o suficiente para lançar um ataque ou imaginar que tem 'uma última grande oportunidade'", conclui Robert Farley.

Teste de míssil

A Coreia do Norte é um dos nove países do mundo que possuem armas nucleares e um dos quatro que não são parte do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP).

© REUTERS / Agência Central de Notícias da Coreia do Norte (KCNA)Coreia do Norte lança míssil balístico de submarino (SLBM), 2 de outubro de 2019
Como e por que Pyongyang poderia iniciar confronto armado com Seul? - Sputnik Brasil
Coreia do Norte lança míssil balístico de submarino (SLBM), 2 de outubro de 2019

No dia 2 de setembro, Pyongyang testou com sucesso um "novo tipo" de míssil balístico lançado de um submarino (SLBM), algo que levou os EUA a exigir que os norte-coreanos se "abstenham de provocações" e continuem empenhados nas negociações nucleares.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала