Banco Central argentino: agosto e setembro serão marcados por aumento de inflação

Nos siga noTelegram
Os preços dos bens e dos serviços aumentarão na Argentina durante os meses de agosto e setembro como resultado de forte desvalorização do peso argentino, reconheceu em coletiva de imprensa Guido Sandleris, presidente do Banco Central do país sul-americano.

Segundo o presidente do Banco Central argentino, Guido Sandleris, a derrota do partido governista nas eleições primárias foi seguida por uma forte desvalorização do peso argentino, que vai ocasionar aumento da inflação.

"A inflação vai, infelizmente, subir em agosto e setembro", declarou Sandleris em uma coletiva de imprensa.

Queda drástica

O presidente do Banco Central da Argentina adicionou que a desvalorização do peso argentino, que caiu 27,7% na semana passada, "já está tendo um impacto negativo nos preços".

"Vai ser interrompido o processo de desinflação dos últimos quatro meses que levou a uma inflação de 2,2% em julho", afirmou Sandleris, adicionando que as Letras de Liquidez (Leliq) que a entidade que dirige oferece aos bancos a uma taxa de juros de 74,97% representam 5% do Produto Interno Bruto (PIB).

"As Leliq não representam uma ameaça nem um risco, elas são a contrapartida que permite ao Banco Central absorver pesos através de leilões diários, e fixar a taxa de juros de referência da política monetária", acrescentou.

Eleições primárias

Nas eleições primárias de 11 de agosto, a aliança oposicionista Frente de Todos, liderada por Alberto Fernández e a ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015), obteve 47,6% dos votos, enquanto a coalizão oficial Juntos pela Mudança obteve 32% dos votos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала