EUA dizem ter matado 'apenas' 120 civis no exterior em 2018

© AP Photo / Hussein MallaVeículos blindados norte-americanos na Síria
Veículos blindados norte-americanos na Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os Estados Unidos mataram 120 civis e deixaram outros 65 feridos em ações militares no exterior no ano passado, conforme revelou o Departamento de Defesa através de um relatório divulgado hoje. Os números, no entanto, de acordo com a Reuters, estão bem abaixo daqueles registrados por agências internacionais dedicadas a contabilizar essas baixas.

O registro anual, encomendado pelo Congresso dos EUA, mostrou uma queda significativa em relação aos quase 800 civis mortos em 2017, em parte porque o ritmo das operações contra o grupo extremista Daesh, também conhecido como Estado Islâmico, diminuiu significativamente tanto no Iraque como na Síria. As baixas admitidas pelo Pentágono dizem respeito a operações realizadas nesses dois países, no Afeganistão e na Somália.

Ataque aéreo da coalizão internacional na Síria (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Relatos: coalizão liderada pelos EUA matou mais de 1.600 civis na cidade síria de Raqqa
De acordo com a Defesa americana, 76 civis foram mortos por seus militares no Afeganistão, 42 no Iraque e na Síria e outros dois na Somália. Nenhuma baixa teria sido registrada em decorrência de missões realizadas na Líbia ou no Iêmen. 

Segundo a comandante Candice Tresch, porta-voz do Pentágono, essa é a primeira vez em que o relatório de baixas causadas por operações dos EUA no exterior é divulgado integralmente, sem partes secretas, inacessíveis. 

"Embora as baixas civis sejam uma parte trágica e inevitável da guerra, nenhuma força na história está mais comprometida em limitar os danos aos civis do que os militares norte-americanos, que rotineiramente aplicam padrões mais protetores aos civis do que o exigido pela Lei dos Conflitos Armados". disse ela, citada pela Reuters.

Em março, o presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva que revogou uma política adotada em 2016 por Barack Obama que exigia que as autoridades de inteligência dos Estados Unidos relatassem mortes de civis em ataques de drones fora de zonas de guerra ativas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала