Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

'O que ocorre na Ucrânia, Síria ou Venezuela é preço que mundo paga pelo sistema unipolar'

CC0 / Pixabay / Um globo (imagen referencial)
Um globo (imagen referencial) - Sputnik Brasil
Nos siga no
O presidente do Comitê das Relações Exteriores do Senado russo, Konstantin Kosachev, acredita que tudo que está acontecendo na Ucrânia, Síria e Venezuela é resultado do confronto entre os conceitos de mundo unipolar e multipolar.

"O que ocorre na Ucrânia, Síria ou Venezuela é o preço que o mundo paga pelo sistema unipolar", escreveu Kosachev no Facebook. O senador recordou os acontecimentos na ex-Iugoslávia, no Iraque e na Líbia e sublinhou que a impossibilidade de influenciar o que aconteceu nesses países levou a "um aumento do apetite daqueles que impuseram a outros países soluções forçadas".

A bandeira dos EUA (imagem ilustrativa) - Sputnik Brasil
Quão diferente é estratégia dos EUA na Venezuela se comparada à usada em outros países?
Ele também salientou que alguns países ocidentais atribuem certo preço a muitas questões políticas. "Penso que esta é uma diferença fundamental entre os princípios e valores em que se baseia a política externa da Rússia e de países ocidentais, cujos chefes nos falam constantemente sobre preço."

Kosachev explicou que questão de custos e benefícios é principal na política externa de países ocidentais, que investem em nações com olhos no petróleo, mercado, território, base militar e outras vantagens.

Apoiadores pró-governo segurando a bandeira da Venezuela em protesto contra o presidente dos EUA, Donald Trump, em Caracas, 14 de agosto de 2017 - Sputnik Brasil
Análise: EUA travam 'luta internacional' por hegemonia sobre América Latina
"Para os russos, o preço não importa, como foi no caso da Crimeia, porque há pessoas lá, e não território. E na Venezuela ou na Síria, também não se trata de qualquer lucro em perspectiva. Falamos, em primeiro lugar, da ordem internacional, do confronto entre os conceitos do direito da força e da força do direito, dos modelos de mundo unipolar e de mundo multipolar."

Nesse contexto, ao comentar possíveis sanções dos EUA pelo apoio da Rússia à Venezuela, o senador russo enfatizou que "novas sanções são melhores do que novas vítimas". No fim de março, o enviado dos EUA à Venezuela, Elliott Abrams, ameaçou Moscou com medidas se continuasse apoiando o governo venezuelano.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала