EUA descartam planos de fechar embaixada na Venezuela

© REUTERS / Carlos Garcia RawlinsMilitantes da oposição durante manifestação contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas, Venezuela
Militantes da oposição durante manifestação contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas, Venezuela - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um representante do Departamento de Estado norte-americano informou à Sputnik que os EUA não planejam fechar sua embaixada na Venezuela.

"Não temos planos de fechar a embaixada, nossas prioridades seguem as mesmos, a segurança e a proteção de nossos funcionários e cidadãos no exterior", disse o diplomata.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro - Sputnik Brasil
Diplomata militar da Venezuela nos EUA diz não reconhecer governo Maduro
Ele informou que Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional (parlamento unicameral venezuelano, com maioria da oposição), propôs que a missão dos EUA permaneça na Venezuela.

O diplomata acrescentou que os EUA "continuarão a avaliar a situação no terreno e decidir sobre as ações necessárias".

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou no sábado que o último grupo de diplomatas norte-americanos deixou Caracas.

A situação política na Venezuela se agravou drasticamente a partir de 10 de janeiro, quando Nicolás Maduro assumiu o seu novo mandato até o ano de 2025. 

Mike Pompeo - Sputnik Brasil
EUA estão dispostos a debater com a Rússia situação na Venezuela
Em 23 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante os protestos contra Maduro realizados nas ruas de Caracas. Por sua vez, o atual líder venezuelano, Nicolás Maduro, afirma ser o chefe de Estado constitucional e chamou Guaidó de "marionete dos EUA".

Até o momento, os EUA, Brasil, Canadá, Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru, Geórgia, Albânia e vários outros países reconheceram Guaidó como o presidente interino da Venezuela. A Grã-Bretanha, Alemanha, França e Espanha anunciaram sua intenção de reconhecê-lo, caso não sejam anunciadas novas eleições dentro de oito dias na Venezuela. A Rússia segue apoiando Nicolás Maduro como o legítimo presidente venezuelano.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала