'Dólar se tornou arma para Estados Unidos', diz vice-chanceler iraniano

© Foto / PixabayDólar norte-americano (imagem de arquivo)
Dólar norte-americano (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Abbas Araghchi, vice-ministro das Relações Exteriores iraniano, declarou que os EUA usam o dólar como arma e desconsidera os interesses dos países da União Europeia.

"O dólar se tornou uma arma para os Estados Unidos forçarem suas exigências ilegítimas sobre seus parceiros europeus, praticamente desafiando sua soberania nacional", disse Araghchi à agência de notícias iraniana Press TV.

Mulher iraniana segura bandeira nacional enquanto passa por um muro representando a Estátua da Liberdade na parede da antiga embaixada dos EUA em Teerã (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
EUA explicam planos de sancionar Irã: 'Espremê-los até que não sobre nada'
Durante uma reunião em Roma com Vito Rosario Petrocelli, chefe do Comitê de Relações Exteriores do Senado italiano, Araghchi também pediu à UE que tentasse impedir os EUA de usar sua pressão econômica como arma para estabelecer hegemonia. 

Além disso, foi discutido o futuro do acordo nuclear com o Irã de 2015, também conhecido como o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), lembrando que Teerã já havia cumprido seus compromissos em relação ao acordo e que a União Europeia deveria seguir o exemplo.

Petrocelli, por sua vez, elogiou o acordo com o Irã como uma conquista importante para a estabilidade global, prometendo o apoio de Roma ao acordo. Ao mesmo tempo, foi sinalizada a determinação da UE em continuar cooperando com o Irã e criar um canal financeiro que facilitaria os laços comerciais bilaterais. 

Um menino olha para a câmera enquanto se senta nos destroços de uma casa destruída por um ataque aéreo liderado pelos sauditas nos arredores de Sanaa, Iêmen. - Sputnik Brasil
Análise: como EUA conseguiram destruir o Iêmen?
Em maio, Donald Trump anunciou a retirada de Washington do JCPOA, prometendo restabelecer sanções contra Teerã e deu às empresas estrangeiras um período de carência de 90 a 180 dias para interromper o comércio com a República Islâmica. 

A primeira onda de sanções norte-americanas, visando o setor automotivo do Irã e a compra e venda de ouro, assim como uma série de outros metais, entrou em vigor no dia 7 de agosto. A segunda rodada de sanções contra os setores bancários e de energia do país entrou em vigor em 5 de novembro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала