Análise: como EUA conseguiram destruir o Iêmen?

© REUTERS / Mohamed al-SayaghiUm menino olha para a câmera enquanto se senta nos destroços de uma casa destruída por um ataque aéreo liderado pelos sauditas nos arredores de Sanaa, Iêmen.
Um menino olha para a câmera enquanto se senta nos destroços de uma casa destruída por um ataque aéreo liderado pelos sauditas nos arredores de Sanaa, Iêmen. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Após anos de guerra, o Iêmen deixou literalmente de ser um país, e aqueles que tiveram alguma responsabilidade pela agressão durante a Administração Obama, agora pedem que Trump ponha fim à catástrofe, escreve colunista.

O colunista da revista norte-americana National Interest, Daniel R. DePetris, informa que recentemente vários ex-funcionários do governo Obama assinaram uma declaração pública da National Security Action (Ação de Segurança Nacional) sobre o Iêmen, onde pedem a interrupção de qualquer iniciativa de apoio ao conflito armado que assola a nação árabe e a prestação de ajuda humanitária ao povo iemenita.

O documento foi publicado dez dias depois de o Departamento de Defesa dos EUA ter anunciado a cessação das operações de reabastecimento aéreo por aviões cisterna norte-americanos de aeronaves militares da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos.

Presidente dos EUA, Donald Trump, reúne-se com presidente russo, Vladimir Putin, no palácio presidencial em Helsinque, 16 de julho de 2018 - Sputnik Brasil
Mídia: Trump acusa Arábia Saudita de não saber usar armas americanas no Iêmen
Segundo DePetris, a declaração surgiu na hora em que o povo iemenita mais precisava, pois está passando a pior fome que o mundo já viu em décadas: 14 milhões de pessoas estão à beira da inanição. Esse número só aumentará se os intensos combates em andamento na cidade costeira de Hodeida danificarem seu porto.

A assistência militar norte-americana a Riad durante três anos e meio significou um desastre humanitário sem precedentes. O grupo terrorista Al-Qaeda (proibido na Rússia e em outros países) acabou aproveitando do conflito para se beneficiar e enriquecer seus recursos, declara o autor.

"Chegou a hora de acabarmos com o nosso apoio e participação neste conflito brutal", diz um dos ex-funcionários. Porém, algumas das mesmas pessoas que agora defendem a retirada dos EUA defenderam a participação dos EUA quando faziam parte do governo Obama.

Em 8 de novembro, a ex-embaixadora dos EUA na ONU, Samantha Power, publicou em seu Twitter que "os pedidos da administração Trump para um cessar-fogo no Iêmen não são suficientes, os combates estão piorando em Hodeida neste momento". No entanto, Power e sua equipe na ONU fez pouco para impedir os sauditas, ressalta o jornalista.

© AP Photo / Hammadi IssaMenina iemenita sofre de desnutrição, consequência da guerra e do bloqueio da Arábia Saudita, Iêmen, 25 de agosto de 2018
Menina iemenita sofre de desnutrição, consequência da guerra e do bloqueio da Arábia Saudita, Iêmen, 25 de agosto de 2018 - Sputnik Brasil
Menina iemenita sofre de desnutrição, consequência da guerra e do bloqueio da Arábia Saudita, Iêmen, 25 de agosto de 2018

O reabastecimento de aviões da Arábia Saudita com combustível americano, o fornecimento de apoio de inteligência e o total suporte diplomático de Riad em fóruns internacionais foi uma política estabelecida e financiada pelo governo Obama, recorda DePetris.

Em 2015, quando a Holanda tentou, relativamente a este conflito, aprovar uma resolução para a criação de uma equipe independente e imparcial de investigadores de crimes de guerra das Nações Unidas, a delegação da Arábia Saudita tentou impedir o esforço e foi apoiada pelo governo americano.

Recentemente, o vice-conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Ben Rhodes, condenou o governo Trump por "terceirizar" a política de Washington sobre o Iêmen à Arábia Saudita e a seu parceiro, os Emirados Árabes Unidos.

Além disso, as vendas de armas ao país saudita durante a administração de Barack Obama alcançaram um total de US$ 138 bilhões, um valor oito vezes superior aos contratos semelhantes da época de George W. Bush.

Armas de fogo de artilharia do exército saudita em direção às posições houthis da fronteira saudita com o Iêmen. - Sputnik Brasil
Cessar-fogo no Iêmen se torna possível com retirada do apoio dos EUA à coalizão saudita
"Agora que os ex-funcionários de Obama estão fora do governo e na Casa Branca está outro partido, eles sentem a necessidade de falar sobre uma mudança de política. Mas, quando muitos desses funcionários estavam no governo, eles dirigiram a política de que agora se queixam", resume o jornalista.

O autor ainda afirma que "a política dos EUA no Iêmen tem sido uma farsa por muito tempo", e enfatiza que Washington fala sobre paz, enquanto continua alimentando o conflito apoiando somente um dos lados.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала