EUA estão entrando em um conflito com resultados desagradáveis para si, diz especialista

© Foto / Domínio públicoLançamento a partir do sistema Javelin, foto de arquivo
Lançamento a partir do sistema Javelin, foto de arquivo - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ex-embaixador dos EUA na Ucrânia apelou aos países ocidentais para fornecerem armas letais modernas para Kiev. Vladimir Batyuk, um investigador de ciências políticas e militares comentou a posição de Washington ao serviço russo da Rádio Sputnik.

O ex-embaixador dos EUA na Ucrânia, John Herbst, apelou aos países ocidentais que forneçam armas letais modernas para Kiev, informou a Ukrinform. De acordo com Herbst, o fornecimento de tais armas permitiria à Ucrânia resistir às operações russas.

"É do interesse não só da Ucrânia, mas também do Ocidente, fornecer armas à Ucrânia, em particular, mísseis terra-terra e terra-mar, a fim de tornar vulneráveis as possíveis operações anfíbias da Rússia com desembarque na costa", disse o ex-embaixador acrescentando que a Ucrânia precisa de ajuda além dos os sistemas de mísseis antitanque Javelin.

Presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, e o chefe de Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia, Viktor Muzhenko no polígono, acompanhando os testes dos sistemas de mísseis antitanque Javelin, Ucrânia, 22 de maio de 2018 - Sputnik Brasil
Por que EUA consideram incompetentes militares das Forças Armadas da Ucrânia?
Este ano, Kiev recebeu mais de 40 milhões de dólares (cerca 151 milhões de reais) em armamento dos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Lituânia. Além disso, no ano passado, Washington aprovou a entrega de sistemas Javelin para a Ucrânia, e em maio eles foram entregues aos militares ucranianos.

Vladimir Batyuk, chefe do Centro de Pesquisas Políticas e Militares do Instituto dos EUA e Canadá da Academia de Ciências da Rússia, comentou a posição de Washington sobre o fornecimento de armas à Ucrânia ao serviço russo da Rádio Sputnik.

"Isso não corresponde nada aos interesses nacionais dos EUA, mas corresponde à ideologia oficial de política externa americana, segundo a qual os Estados Unidos são a "força do bem" global, que deve lutar contra as "forças do mal" representadas pela Rússia, China, Irã e outros. É precisamente por isso que os Estados Unidos têm de tomar tais medidas que podem ter consequências extremamente negativas para os próprios Estados Unidos", disse o especialista.

Soldado norte-americano em Manbij, norte da Síria, 4 de abril de 2018 - Sputnik Brasil
EUA aumentam orçamento militar para conter 'concorrente' russo
Batyuk comentou que, em resposta ao fornecimento de armas letais americanas à Ucrânia, a Federação da Rússia pode alargar sua cooperação econômica e militar, por exemplo, a Cuba, inclusive com instalação lá de bases militares russas — na proximidade direta do território americano.

"Acho que pode também haver outras opções. De qualquer forma, os americanos estão entrando em um conflito que nada tem a ver com sua segurança nacional e seus interesses nacionais", disse Vladimir Batyuk.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала