EUA aumentam orçamento militar para conter 'concorrente' russo

© AP Photo / Hussein MallaSoldado norte-americano em Manbij, norte da Síria, 4 de abril de 2018
Soldado norte-americano em Manbij, norte da Síria, 4 de abril de 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os legisladores norte-americanos planejam prolongar a proibição da cooperação entre os militares dos EUA e da Rússia, segundo revela o relatório do Congresso.

Vale destacar que no documento, a Rússia é chamada de "concorrente" dos Estados Unidos.

"Os militares estadunidenses enfrentam desafios em muitas frentes, incluindo um aumento alarmante do número de incidentes graves no âmbito dos treinamentos; o renascimento de concorrentes como a Rússia e a China; ambições nucleares do Irã e da Coreia do Norte; necessidade de controlar a pressão sobre Daesh e Al-Qaeda [grupos terroristas proibidos na Rússia e em outros países] e outras organizações terroristas", diz o documento.

Embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, em reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a Síria, na sede da ONU em Nova York - Sputnik Brasil
Embaixadora na ONU: Rússia 'nunca será amiga' dos EUA
"A lei sobre a defesa nacional para o ano fiscal de 2019, aplica novas reformas alvejadas para acelerar o processo de aprovação de decisões e manobrabilidade militar", destaca.

O valor do projeto do orçamento militar prevê US$ 717 bilhões (R$ 2,7 trilhões). No entanto, antes de entrar em vigor, o programa deve ser aprovado por ambas as câmaras do Congresso e assinado pelo presidente dos EUA.

Atenção especial é dedicada à Rússia em relação ao projeto de orçamento de defesa. Para "prestar resistência", os EUA planejam tomar os seguintes passos: "proibir a cooperação militar da Rússia; garantir flexibilidade aos parceiros estratégicos e aliados na transferência do uso de armas russas para as americanas, e proibir o governo dos EUA de reconhecer a reintegração da Crimeia". Além disso, o orçamento militar para 2019 prevê destinar US$ 250 milhões (R$ 94,4 milhões) para fornecer armas letais à Ucrânia.

A razão oficial que explica as ações mencionadas acima consiste em que a "Rússia violou os acordos cruciais sobre o controle de armamentos, ampliou e modernizou seu potencial nuclear, testou armas espaciais e usou tecnologias para desestabilizar seus vizinhos".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала