Trump critica China e indica que Pequim estaria atrapalhando relação com a Coreia do Norte

© Sputnik / Sergei Guneev / Abrir o banco de imagensPresidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente dos EUA, Donald Trump, acredita que a Coreia do Norte está sendo pressionada pela China, que está envolta em uma disputa comercial com os Estados Unidos, informou a Casa Branca.

"O presidente Donald J. Trump acredita firmemente que a Coreia do Norte está sob uma tremenda pressão da China por causa de nossas principais disputas comerciais com o governo chinês", disse o comunicado, divulgado por Trump nesta quarta-feira.

O presidente estadunidense acusou Pequim de fornecer a seu aliado "ajuda considerável, incluindo dinheiro, combustível, fertilizantes e várias outras commodities".

In this photo provided Wednesday, March 28, 2018, by China's Xinhua News Agency, North Korean leader Kim Jong Un, left, and Chinese President Xi Jinping shake hands in Beijing, China. - Sputnik Brasil
China tem esperança de que Coreia do Norte e EUA mantenham diálogo

"Isso não é útil!", declarou o chefe da administração dos EUA.

Após avanços diplomáticos e uma cúpula realizada em Singapura há quase dois meses, as negociações sobre a desnuclearização de Pyongyang estão paralisadas.

Contudo, Trump insistiu que seu relacionamento com o líder norte-coreano Kim Jong-un permanece "muito bom" e disse que não estava considerando retomar exercícios militares conjuntos na península coreana que Pyongyang considera "provocativos".

A recusa de Trump em criticar Kim e culpar outros pela falta de progresso vem apesar dos relatos de que os EUA receberam uma carta beligerante de Pyongyang, que levou o secretário de Estado Mike Pompeo a cancelar uma viagem à Coreia do Norte no fim de semana passado.

"A China dificulta muito o nosso relacionamento com a Coreia do Norte", prosseguiu Trump na Casa Branca, apesar de insistir que seus laços com o presidente chinês Xi Jinping são "ótimos".

Pequim é o único grande aliado de Pyongyang e o principal país de trânsito para qualquer mercadoria que entre no Norte. Trump disse que a China — irritada com os movimentos dos EUA no comércio — não está mais sendo tão dura quanto poderia ser na Coreia do Norte.

Sobre o assunto dos exercícios militares, que os EUA suspenderam como uma medida de "boa fé" após a reunião de Trump com Kim, o presidente disse que "não há razão para gastar grandes quantias de dinheiro em jogos de guerra conjuntos EUA-Coreia do Sul", embora adicionado, estes poderiam ser retomados se a necessidade surgisse.

Trabalhador da saúde usando equipamento de proteção coloca um frango no lixo após abater as galinhas usando dióxido de carbono em um mercado de aves em Hong Kong (China), 31 de dezembro de 2014 - Sputnik Brasil
China é acusada de negar acesso dos EUA a amostras de vírus mortal

Ele fez essas declarações um dia depois que o secretário da Defesa, Jim Mattis, afirmar que o Pentágono não planejava suspender mais nenhum treinamento militar, antes de aparentemente recuar na quarta-feira, insistindo que "nenhuma decisão" foi tomada sobre o assunto.

Trump também reiterou seu desejo de alterar fundamentalmente o status quo comercial entre os Estados Unidos e a China, as duas principais economias do mundo.

Ele disse que precisava assumir uma posição dura com Pequim sobre o comércio "porque não era justo para o nosso país", criticando seus antecessores que "fecharam os olhos" para a questão.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала