Novas tarifas da China: se EUA querem guerra comercial, estamos prontos

© AP Photo / Andy WongMulheres em um supermercado de Pequim passando pelas prateleiras de produtos importados dos EUA e de outros países, 2 de abril de 2018
Mulheres em um supermercado de Pequim passando pelas prateleiras de produtos importados dos EUA e de outros países, 2 de abril de 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Pequim tomou mais uma medida de retaliação na guerra comercial com Washington, introduzindo tarifas de 25% sobre 106 produtos norte-americanos.

"Acabamos de anunciar as medidas de resposta. São equilibradas […] A China não quer uma guerra comercial. Em uma guerra comercial não há vencedores, mas não temos medo desta guerra. Se alguém quer combater conosco, estaremos cá", afirmou o vice-ministro do Comércio chinês Wang Shouwen.

Ao mesmo tempo, o ministro sublinhou que a China continua pronta para o diálogo e negociações.

Marco Rubio, senador dos EUA - Sputnik Brasil
China quer quebrar ordem econômica dominada pelos EUA, diz senador republicano
O Conselho de Estado da China decidiu introduzir tarifas de 25% sobre 106 produtos de 14 categorias, incluindo soja, carros, produtos químicos e aviões, importados dos Estados Unidos após Washington ter aplicado tarifas adicionais a cerca de 1,3 mil produtos chineses.

O governo chinês acrescentou que a data exata da introdução das medidas comerciais dependerá de quando os EUA anunciarem a aplicação de suas tarifas.

No fim do mês passado, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou um memorando aplicando novas tarifas sobre as importações da China, o que, segundo o líder, fará com que os EUA se tornem "uma nação mais forte, mais rica".

Além de introduzir novas tarifas sobre importações, o Departamento do Tesouro dos EUA deverá aplicar restrições aos investimentos da China nos Estados Unidos, segundo uma fonte na administração Trump.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала