Apoio americano à operação no Iêmen visa enfraquecer Irã, alerta analista

© REUTERS / Faisal Al NasserSoldados sauditas olhando para um avião militar no Iêmen
Soldados sauditas olhando para um avião militar no Iêmen - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O príncipe saudita, Mohammed Bin Salman, está em Washington para visitar a Casa Branca e ficará satisfeito ao saber que o Senado dos EUA desaprovou a lei que poderia acabar com o apoio militar aos aviões de guerra da Arábia Saudita, que efetuam bombardeamentos e lançamentos de mísseis no Iêmen.

Militares do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (CGRI) marcham durante uma parada militar em homenagem à Guerra Irã-Iraque, de 1980-1988 - Sputnik Brasil
Chanceler do Irã detona príncipe por crimes no Iêmen e papel de Riad no 11 de Setembro
Há pouco, um grupo bipartidário de senadores propôs limitação do poder presidencial quanto ao posicionamento de militares em lugares sem autorização, permitindo, assim, que o Congresso retire tropas de regiões conflituosas, por exemplo, do Iêmen, que, de acordo com a ONU, sedia a maior e mais grave crise humanitária nos últimos 50 anos.

Conforme declarou à Sputnik Internacional Tighe Berry, membro da organização pró-paz CODEPINK, de fato, as duas opções eram claras: de um lado, votando "Sim, eu quero ir para a guerra ao lado da Arábia Saudita, um dos maiores países violadores dos direitos humanos no mundo", e do outro "Eu não quero estar do lado dos maiores violadores dos direitos humanos".

Dez democratas votaram contra a medida bipartidária em 20 de março, ficando do lado dos republicanos para deixar os EUA continuar a apoiar a operação no Iêmen.

O senador Bernie Sanders declarou em 15 de março que a guerra no Iêmen tem sido desastre humanitário como resultado da intervenção da Arábia Saudita, mas a votação mais importante trata-se de permitir participação ou não das tropas norte-americanas no conflito.

Militares russos durante cerimônia de visita do presidente russo, Vladimir Putin, à base aérea em Hmeymim, na Síria - Sputnik Brasil
Washington pretende 'fazer Rússia pagar' por suas ações no Oriente Médio
Em uma carta de 14 de março, o secretário de Estado dos EUA, James Mattis, escreveu que, sem uma assistência militar contínua, a morte de civis pode aumentar, agravando situação na região e crise humanitária. Para o Pentágono, o melhor meio de reduzir os casos de morte entre civis é continuar reabastecendo aviões que lançam mísseis contra centros civis.

O apoio dos EUA à coalizão liderada pela Arábia Saudita também visa apoiar os desejos de Riad de ser uma potência regional em meio à concorrência de Teerã. Em outras zonas de conflito no Oriente Médio, tais como Iraque, Síria ou Líbano, o Irã conseguiu acumular parceiros regionais para infelicidade da Arábia Saudita.

Mohammad Marandi, professor da Universidade de Teerã, disse em entrevista à Sputnik Internacional que "os iranianos são céticos quanto às intenções dos EUA, chegando a crer que muito do que fazem os EUA nesta região é por causa de Israel, para apoiar a política israelense na Síria e no Iêmen, e por causa do Irã. Devido à hostilidade dos EUA em relação ao Irã, qualquer grupo, país ou governo visto como aliado do Irã é considerado inimigo dos EUA".

Marandi explicou que mesmo quando sauditas se comportam de forma errada, por exemplo, quando exportam extremistas, recebem apoio dos norte-americanos por acreditarem que tais ações prejudicam Teerã.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала