Senador: ataque contra base russa na Síria seria impossível sem participação dos EUA

Nos siga noTelegram
Os Estados Unidos poderiam ter estado envolvidos no ataque terrorista contra a base russa de Hmeymim, na Síria, afirmou o primeiro vice-presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação Russa (câmara alta do parlamento), Franz Klintsevich.

"Neste caso, tanto faz se se trata de sua participação direita ou, digamos assim, de uma neutralidade benevolente", escreveu o senador no seu Facebook.

Pantsir-S1 em ação durante manobras - Sputnik Brasil
Analista: sistema de defesa antiaérea Pantsir demonstrou seu potencial na Síria
Segundo Klintsevich, no território sírio controlado por Damasco não há células extremistas. A coalizão internacional, liderada pelos EUA, por sua vez, também declarou a "vitória total" sobre os terroristas. Se é mesmo assim, os militantes não devem ter "força real" na Síria, acredita o senador russo.

"É que os EUA, como é costume, faltam à verdade. Não estou afirmando que o ataque contra a base russa de Hmeymim foi realizado diretamente por terroristas a partir das bases militares norte-americanas na Síria, seria […] demasiado grave. Ao mesmo tempo, é muito provável que se trate de militantes preparados e armados pela parte estadunidense", disse o senador.

Na opinião dele, o ataque de militantes confirmou mais uma vez a informação de que os "terroristas do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia) estão sendo treinados nas bases militares dos EUA na Síria", divulgada pelo Estado-Maior russo.

Em 27 de dezembro, extremistas lançaram mísseis contra o aeroporto de Latakia e contra a base russa em Hmeymim, mas os sistemas de defesa antiaérea Pantsir conseguiram repelir o ataque. A chancelaria russa chamou o ataque de provocação cujo objetivo era frustrar o Congresso para o Diálogo Nacional na Síria.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала