Marinha argentina indica que explosão pode explicar desaparecimento de submarino

© REUTERS / Armada ArgentinaTripulante do submarino militar argentino ARA San Juan no porto de Buenos Aires, Argentina (foto de arquivo)
Tripulante do submarino militar argentino ARA San Juan no porto de Buenos Aires, Argentina (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Organização do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares (CTBTO) detectou um "sinal incomum" na região próxima ao local de onde o submarino ARA San Juan enviou a sua última posição e, de acordo com a Marinha local, pode se tratar de uma explosão.

Segundo a Agência Reuters, a entidade detectou um "evento subaquático espontâneo" no último dia 15 de novembro. Tal registro teria sido breve, incomum e de origem não natural, de acordo com Mario Zampolli, engenheiro hidroacústico da CTBTO.

"Pode ser consistente com uma explosão, mas não há certeza sobre isso", disse Zampolli.

A possibilidade de que uma explosão possa estar relacionada ao desaparecimento do submarino, que perdeu a sua comunicação e teria apontado ter problemas elétricos em seu último contato com o mundo exterior, foi confirmada pelo porta-voz da Marinha argentina, Enrique Balbi.

Mulher olhando para mensagens e sinais de apoio aos 44 tripulantes do submarino perdido ARA San Juan - Sputnik Brasil
Mineiro que ficou soterrado por 70 dias: marinheiros argentinos estão preparados para isso

"Segundo os relatórios [em mãos da Marinha argentina] houve uma explosão", comentou o oficial, em entrevista a jornalistas nesta quinta-feira, em Buenos Aires. Ainda de acordo com Balbi, as causas da provável explosão ainda são desconhecidas.

A anomalia hidroacústica já havia sido detectada pelos Estados Unidos na semana passada, três horas após a última comunicação do submarino, que deveria ter chegado ao porto de Mar del Plata, 400 km ao sul de Buenos Aires após sair de Ushuaia.

O porta-voz destacou ainda que as buscas continuam e que seis unidades estão varrendo a área em busca do submarino desaparecido, que tinha 44 tripulantes a bordo.

O CTBTO, com sede em Viena, opera estações de monitoramento equipadas com dispositivos que incluem hidrofones, microfones subaquáticos que acompanham os oceanos em busca de ondas sonoras.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала