Tribunal Constitucional espanhol declara ilegalidade da independência da Catalunha

© AFP 2022 / GERARD JULIEN Homem perante o Tribunal Constitucional em Madri (foto de arquivo)
Homem perante o Tribunal Constitucional em Madri (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Depois de o Parlamento da Catalunha ter votado a favor da declaração de independência unilateral, Madri aplicou o Artigo 155, retomando poder de decisão e direto na região.

O presidente da Generalitat (governo regional da Catalunha), Carles Puigdemont, durante um discurso no parlamento em 10 de outubro de 2017 - Sputnik Brasil
Líder catalão deposto se diz vítima de 'brutal ofensiva judicial'
O Tribunal Constitucional da Espanha anulou a declaração de independência unilateral da Catalunha que foi feita em 27 de outubro, o jornal El Confidencial disse na quarta-feira (8).

Mais anteriormente neste mês, o Tribunal Constitucional da Espanha declarou inconstitucionais e anulou as três leis complementares adotados como parte da legislação do referendo da Catalunha.

A crise constitucional na Espanha foi agravada depois da votação secreta no Parlamento da Catalunha quanto à declaração de independência, levando à aplicação do Artigo 155 pelo governo central. O premiê espanhol, Mariano Rajoy, privou a região da autonomia e demitiu o governo regional, marcando eleições dos postos políticos catalães para 21 de dezembro.

Em 2 de outubro, os ministros demitidos, bem como o ex-presidente catalão Carles Puigdemont, receberam solicitação para comparecer ao Tribunal espanhol por organização de rebelião, conspiração e uso inapropriado de verbas públicas. Nove membros do gabinete estão em custódia devido ao papel nos processos independentistas, enquanto Puigdemont e mais quatro autoridades catalãs, que fugiram para a Bélgica, nem sequer apareceram no Tribunal.

Santi Vila, líder catalão que se demitiu antes da declaração de independência unilateral, foi preso mais saiu da prisão depois de pagar fiança. O Tribunal emitiu o mandado de detenção internacional para Carles Puigdemont e para quatro ex-ministros.

Depois da decisão do tribunal, representantes em Bruxelas disseram que vão estudar o caso da extradição de Puigdemont em 17 de novembro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала