Para que servem as tropas estrangeiras concentradas na Polônia?

© AFP 2022 / Janek SkarzynskiTropas da OTAN participam dos exercícios militares na Polônia
Tropas da OTAN participam dos exercícios militares na Polônia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Enquanto as manobras russo-bielorrussas Zapad 2017 são vistas quase como uma "declaração de guerra", o fato de que no território da Polônia se concentram dezenas de milhares de soldados estrangeiros é muito mais perigoso para os poloneses, opina um dos líderes do partido Zmiana, o publicista Konrad Rekas.

"Se tudo tivesse terminado com um conflito real com a Bielorrússia e a Rússia [na sequência das manobras Zapad 2017], a Polônia seria a primeira vítima. Por isso, é do interesse da Polônia fazer tudo o possível para evitá-lo. Ora, é precisamente a Polônia que deverá apresentar propostas sobre a distensão e não deitar lenha no fogo", disse ele em entrevista à Sputnik Polônia.

Em 25 de setembro, começará na Polônia a fase ativa das manobras internacionais Dragon 2017. Segundo o ministro da Defesa polonês, Antoni Macierewicz, os exercícios terão pela primeira vez um "caráter bastante agressivo", deles participarão 122.000 soldados em vez dos 17.000 anunciados anteriormente.

Soldado polonês junto às bandeiras da OTAN, Polônia e EUA - Sputnik Brasil
Polônia começa suas maiores manobras Dragon 2017
Rekas observou que a "histeria" da mídia polonesa em relação aos exercícios russo-bielorrussos Zapad 2017 agora pode ser explicada de forma muito fácil.

"De acordo com as tradições da propaganda ocidental e, em particular, da propaganda da OTAN, é necessário justificar as próprias ações agressivas e infundir pânico com a chamada agressão por parte de terceiros países. Esta é uma velha estratégia da OTAN, que deve provocar nos poloneses alusões às ações da Alemanha na véspera da Segunda Guerra Mundial", explicou Rekas.

Ele lembrou que as manobras Zapad 2017, apresentados quase como uma declaração de guerra, afinal "não acabaram com um ataque russo contra a Polônia e a Lituânia".

Entretanto, não obstante "no território polonês estarem se concentrando vários milhares de militares estrangeiros e muitos equipamentos militares", a mídia descarta que se trate de um "ato de agressão" contra a Rússia.

Militar russo nas manobras conjuntas russo-bielorrussas Zapad 2017 - Sputnik Brasil
Defesa polonesa adverte sobre 'armas nucleares de Moscou' nas manobras Zapad 2017
As manobras Zapad 2017 provocaram inúmeras especulações por parte de vários países, que qualificavam os exercícios de "ameaça" para os Estados vizinhos. O próprio ministro Macierewicz até afirmou em que a Rússia iria supostamente realizar testes de armas nucleares durante as manobras. A Lituânia, por sua parte, apresentou uma queixa na ONU. No entanto, tais advertências e críticas não têm nada a ver com a realidade.

Rekas constata que "nós enfrentamos sempre a intensificação da atmosfera de guerra em toda a fronteira oriental da OTAN e a ocidental da Rússia e da Bielorrússia".

"Todas essas enormes massas de tropas que chegam à Polônia, são de certa forma um elemento de propaganda militar, capaz de se converter facilmente em uma trágica realidade para a Polônia", ressaltou Rekas.

Além disso, ele sublinhou que nos últimos meses, a Aliança levou a cabo uma série de manobras: na Polônia, no mar Mediterrâneo, na Letônia, Alemanha, Eslovênia, Romênia e Bulgária, "o que provoca a reação da Rússia".

Monumento às tropas soviéticas em Varsóvia - Sputnik Brasil
Ex-premiê da Polônia: 'russofobia se tornou doutrina estatal'
"Na região do Báltico, onde se baseiam as tropas da OTAN, há uma situação de tensão, uma ameaça real. A presença de soldados da OTAN pode vir a ser um antecedente para passar de uma "guerra fria" para a fase quente. Recordemos que os EUA sempre iniciaram suas guerras imperialistas com o afundamento acidental de um navio, ou algum bombardeio. Os americanos atacam os outros fingindo ser provocados", salientou o especialista polonês.

Rekas adverte também que a concentração de tal número de militares em um lugar deve ser uma preocupação para os países vizinhos.

"A OTAN é uma aliança agressiva que se dedica exclusivamente a atacar. Ainda não salvou ninguém de nada. Os exercícios, parte da estratégia de caráter ofensivo evidentemente dirigida contra a Rússia e a Bielorrússia, podem agravar o conflito e aprofundar a atual Guerra Fria", advertiu Rekas.

Ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov - Sputnik Brasil
Lavrov acusou OTAN de tentar reviver a Guerra Fria
O especialista indicou vários caminhos para superar a crise. Antes de tudo, é necessário levantar as sanções.

"É necessária uma distensão nas relações bilaterais, é necessário respeito, o que serviria como uma pausa para as economias da Europa Central, antes de tudo, da Polônia, que sofre prejuízos com a guerra econômica com a Rússia. No entanto, em vez de extinguir a guerra político-econômica, os sonhadores perigosos que estão no poder, sonham com uma guerra real", resumiu Konrad Rekas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала