Ex-premiê da Polônia: 'russofobia se tornou doutrina estatal'

© REUTERS / Kacper PempelMonumento às tropas soviéticas em Varsóvia
Monumento às tropas soviéticas em Varsóvia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Recentemente, vários monumentos e túmulos dos soldados soviéticos na Polônia se tornaram outra vez alvos de vandalismo. O ex-primeiro-ministro polonês, Leszek Miller, comentou os incidentes em entrevista à Sputnik Polônia, explicando o porquê de tal atitude.

Soldados de um batalhão antitanque voltam ao rio Vyazma, em 1943 - Sputnik Brasil
Polônia acusa URSS de iniciar a Segunda Guerra Mundial
Entre tais incidentes está a destruição pelas autoridades locais de um mausoléu dos soldados do Exército Soviético, que libertaram Varsóvia em 1945, na cidade de Trzcianka, ação que foi qualificada pela embaixada da Rússia em Varsóvia como "barbaridade".

O caso mais recente foi ato de vandalismo no maior cemitério de soldados soviéticos em Varsóvia, quando desconhecidos escreveram nos monumentos várias frases hostis como "Traidores", "Fora de nosso país", entre outras, segundo o canal Zvezda

Em entrevista à Sputnik Polônia, ex-premiê do país, Leszek Miller, comentou os acontecimentos, lamentando que isso esteja acontecendo em seu país.

"Sou contra destruição de cemitérios ou monumentos, dedicados aos soldados que atravessaram a Polônia para derrubar o regime de Hitler na Alemanha", afirmou.

O político sublinhou que luta contra mortos deve ser reprovada, sendo destruição de cemitérios uma barbaridade.

Manifestantes neonazistas foram às ruas em Berlim para homenagear Rudolf Hess, aliado de Adolf Hitler - Sputnik Brasil
Moscou: Ocidente dá forças à extrema-direita ao reduzir papel da URSS na II Guerra Mundial
Ao explicar a razão de tais incidentes, Miller citou a tentativa de políticos atuais de reescrever a história do país. Segundo eles, afirma, a Segunda Guerra Mundial para a Polônia acabou em 1989 com o fim da "ocupação soviética", que comparam à nazista.

"Russofobia se tornou doutrina estatal, que está sendo realizada pelo governo atual, o que com certeza influencia a noção dos poloneses, especialmente da nova geração", opinou.

O político sublinhou que incidentes deste tipo têm ocorrido com mais frequência ultimamente, mas duvidou que sejam aprovados pela maioria da sociedade.

"Em cada sociedade há pessoas capazes de cometer isso. Mas não me atrevo a afirmar que é aprovado pela maioria", comentou.

Quanto à possível reação de Moscou aos casos mencionados, Leszek Miller disse que é assunto do governo russo, mas acrescentou que aumento de tensões entre a Rússia e Polônia apenas agravará a situação.

Político acredita que Varsóvia deve ver a Rússia como um parceiro, mas, avança, enquanto permanecer o governo atual, pouca coisa mudará nas relações entre os dois países.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала