15:34 21 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Monumento às tropas soviéticas em Varsóvia

    Polônia desiste de seu passado histórico?

    © AP Photo/ Czarek Sokolowski
    Europa
    URL curta
    451406118

    O presidente da Polônia Andrzej Duda assinou nesta segunda-feira (17) as emendas à lei que proíbe a propaganda do comunismo. Nela também é regulamentada a demolição dos momentos da época soviética, segundo o site presidencial.

    A lei entrará em vigor três meses depois de ser assinada.

    "O ato de 22 de junho de 2017, que altera a lei sobre a proibição de promover o comunismo ou outro sistema totalitário em nomes de edifícios, objetos e instalações públicas, foi assinado em 17 de julho de 2017", afirma o site.

    A câmara baixa do Parlamento da Polônia aprovou as emendas em 22 de junho à chamada lei de descomunização, estipulando assim a demolição de mais de 500 monumentos do período soviético no país.

    A lei de "descomunização", proibindo o uso de nomes que honram pessoas, organizações, eventos e datas simbolizando o comunismo em espaços públicos, foi assinada pelo presidente da Polônia Andrzej Duda em maio de 2016. Reagido à ação, o Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que os poloneses estavam liderando a corrida "antirrussa", com 30 monumentos soviéticos profanados e demolidos no país em 2015.

    De acordo com as reportagens na mídia, há cerca de 490 monumentos soviéticos localizados em áreas públicas na Polônia.

    Mas a Duma de Estado (câmara baixa do Parlamento russo) anunciou que está preparando uma resposta às ações dos seus colegas poloneses.

    Mais:

    Demolição de monumentos soviéticos é ‘teste para relação’ com a Polônia, diz embaixador
    500 monumentos soviéticos serão deslocados na Polônia
    Kiev pretende remover cerca de 100 monumentos soviéticos
    Tags:
    soldados soviéticos, demolição, comunismo, russofobia, monumento, Segunda Guerra Mundial, Duma de Estado, Sergei Lavrov, Andrzej Duda, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik