China sobre os passos rumo à piora da crise coreana: 'EUA realizaram tantos exercícios!'

© REUTERS / Jason LeeHua Chunying, spokeswoman of China's Foreign Ministry
Hua Chunying, spokeswoman of China's Foreign Ministry - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Coreia do Norte e outros países envolvidos na tensa situação política na península da Coreia devem "manter discrição" e "evitar pôr em prática ações que agravem as tensões", afirmou nesta terça-feira (29) a porta-voz da chancelaria da China, Hua Chunying.

Lançamento de míssil balístico da Coreia do Norte - Sputnik Brasil
Situação na Coreia do Norte recorda barril de pólvora, diz parlamentar russo
Hua declarou que "o diálogo e as conversações pacíficas" são "a única maneira" de diminuir as tensões na península. Suas palavras contrastam com as do primeiro- ministro japonês, Shinzo Abe, que anteriormente declarou ter firmado acordo com Donald Trump para aumentar a pressão contra a Coreia do Norte, depois do lançamento de um míssil de Pyongyang que sobrevoou o arquipélago japonês. Abe solicitou também "uma reunião de urgência na ONU".

"EUA já realizaram tantos exercícios!", exclamou Hua antes de perguntar de uma maneira retórica se essas demonstrações de poder contribuíram para resolver a crise norte-coreana. Os exercícios militares, aos quais se referiu a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, são os exercícios anuais Ulchi-Freedom Guardian, que estão sendo realizados pelos EUA e pela Coreia do Sul – e que serão encerrados no dia 31 de agosto – na península. 

Votação dos membros do Conselho de Segurança da ONU sobre resolução proposta por Washington, Londres e Paris quanto à Síria - Sputnik Brasil
Conselho de Segurança da ONU confirma reunião de emergência para discutir Coreia do Norte
Na semana passada, Moscou também expressou a mesma visão, quando a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova chamou a atenção de todas as partes envolvidas na crise da península da Coreia para reduzir suas atividades militares. "É essencial retomar o processo de negociação, mas primeiro é necessário reduzir a atividade militar na região", disse a diplomata.

O míssil balístico lançado pela Coreia do Norte na madrugada da terça-feira (29) teve um alcance de cerca de 2.700 quilômetros e atingiu 550 km de altitude. Partiu da região de Sunan, que fica perto de Pyongyang, às 05h57 (horário local), informaram os militares sul-coreanos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала