Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

'Nepotista cruel' e 'ameaça para o mundo': Rival eleitoral de Merkel detona Trump

© AFP 2021 / Giuseppe CacaceO ex-presidente do Parlamento Europeu, o alemão Martin Schultz
O ex-presidente do Parlamento Europeu, o alemão Martin Schultz - Sputnik Brasil
Nos siga no
Candidato a substituir a primeira-ministra alemã Angela Merkel nas eleições de setembro, o candidato social democrata Martin Schultz detonou o presidente estadunidense Donald Trump em uma entrevista à revista alemã Der Spiegel.

De acordo com Schultz, que foi presidente do Parlamento europeu, Trump representa um risco para os Estados Unidos e para o mundo, excedendo as piores expectativas que o próprio candidato da legenda SPD no pleito alemão tinha para o governo do republicano.

“Era óbvio para mim que a atmosfera solene da Casa Branca não civilizaria Trump”, disse Schultz, para quem o presidente dos EUA simplifica “complexas decisões políticas em apenas 140 caracteres”, em referência ao uso do Twitter por parte do norte-americano.

“Eu realmente acredito que reduzir a política a um tweet é perigoso para um presidente dos EUA. Trump é um risco para sua terra e para o mundo inteiro”, continuou Schultz, que ainda chamou o republicano de “nepotista cruel” que “coloca a família acima dos interesses do país”.

Falando como candidato, o alemão se declarou capaz de lidar com Trump, confrontando-o “o mais claramente e inteligentemente possível”.

O presidente norte-americano, Donald Trump, saúda a chanceler alemã, Angela Merkel, na Casa Branca, em 17 de março de 2017 - Sputnik Brasil
Apesar de divergências, UE precisa de ajuda dos EUA para combater terrorismo, diz Merkel

“Pessoas como Trump eventualmente precisam da mesma coisa que espalham: mensagens claras. Um chefe de governo alemão não tem apenas o direito, mas o dever de fazer isso. Trump acredita que a política é um ringue de boxe. No entanto, não é. Embora não seja o caso, a política ainda às vezes precisa de palavras claras”, explicou.

Ele aproveitou ainda para criticar Merkel, que não estaria dizendo nada sobre “escolas esfarrapadas, sofrimento dos refugiados, evasão fiscal, crise financeira e bancária, reforma das instituições da EU [União Europeia] e ataques à democracia na Polônia e na Hungria”.

“Ela até teve a coragem de dizer que ela pretende lidar com a Europa somente após as eleições. Isso é realmente ousado”, concluiu Schultz.

As eleições parlamentares alemãs estão marcadas para o dia 24 de setembro. De acordo com as mais recentes pesquisas, o partido de Merkel (CDU) conta com o apoio de 38% da população, contra 24% obtidos pelos social-democratas (SPD). Os demais partidos – Democratas Livres, o direitista Alternative für Deutschland (AfD), o Partido Verde e A Esquerda – estão bem atrás, com margens entre 8% e 9%.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала