Opinião: Estados Unidos estão preparando terreno para agressão militar na Síria

© Sputnik / Mikhail VoskresenskyConsequências do ataque contra base aérea na Síria, 7 de abril de 2017
Consequências do ataque contra base aérea na Síria, 7 de abril de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Washington está preparando terreno para agressão militar contra a Síria ao ter acusado o presidente do país, Bashar Assad, de estar preparando um novo ataque químico, declarou à Sputnik o vice-presidente do Comitê da Defesa da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Andrei Krasov.

Mais cedo, a Casa Branca acusou as autoridades sírias de estar preparando um novo ataque com armas químicas e avisou que EUA não iriam se calar.

"[Washington] está preparando o terreno para justificar essa agressão militar contra um Estado soberano [Síria]", acredita.

As consequências do ataque de mísseis à Base Shayrat - Sputnik Brasil
Senador russo alarma para novo ataque dos EUA contra tropas sírias
Krasov também apontou que EUA sempre usam "notícias falsas" para "desestabilizar a situação em certos países".

Em particular, o deputado especificou a situação no Iraque, quando o então secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, apresentou ao Conselho de Segurança da ONU suposta informação sobre o governo iraquiano possuir armas químicas que, por sua vez, justificou a invasão no país, bem como a derrubada de Sadam Husein.

"Não há nada de novo, acho que a comunidade internacional deva condenar essas ações impulsivas por parte da administração dos EUA", apontou.

A oposição síria denunciou, em 4 de abril, um suposto ataque com armas químicas na cidade de Khan Shaykhun (província de Idlib), que deixou mais de 80 mortos, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Base aérea de Shayrat após ataque norte-americano de abril de 2017 - Sputnik Brasil
Kremlin: ameaças dos EUA contra a Síria são 'inaceitáveis'
Forças de oposição culparam Damasco pelo incidente, mas as autoridades sírias rejeitaram as acusações, alegando que todos os arsenais químicos foram retirados do país e eliminados sob a supervisão da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

O governo sírio declarou nunca ter usado substâncias tóxicas contra a sua população, nem contra forças de oposição ou terroristas.

Apesar de a investigação do ataque ainda não ter sido concluída, em 7 de abril, 59 mísseis norte-americanos atacaram a base aérea síria de Shayrat (província de Homs), em "retaliação" ao uso de armas químicas pelo governo de Bashar Assad.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала