Descoberto o porquê da Terra não ter se tornado 'planeta-inferno' parecido com Vênus

© Foto / Ron MillerEspessas nuvens de gás escondem a superfície de Vênus, o segundo planeta mais perto do Sol, dos seus raios fortes.
Espessas nuvens de gás escondem a superfície de Vênus, o segundo planeta mais perto do Sol, dos seus raios fortes. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Planetólogos revelaram sinais de existência de "continentes" pequenos e processos tectônicos em Vênus, fazendo-os considerar a principal teoria que explica por que a Terra não se tornou "planeta-inferno", diz artigo publicado na revista Nature Geoscience.

"Imagens da superfície de Vênus nos mostram estruturas de revelo familiares, tais como vulcões e formas únicas — assim chamadas de ‘coroas'. Revelou-se que essas coroas explicam o que está acontecendo no núcleo de Vênus e indicam que as teorias modernas sobre funcionamento de sua litosfera sejam incorretas", segundo o geólogo da Universidade de Oslo (Noruega), Fabio Crameri.

Enigmas da Estrela d'Alva

A full moon over the Moscow City International Business Center - Sputnik Brasil
Conheça a história da 'Lua rosa' que iluminará o céu hoje
Mesmo que as condições de formação de Vênus sejam semelhantes às da Terra, este planeta difere totalmente do nosso — a sua atmosfera atinge 462 graus Celsius e está cheia de gás carbônico e ácido sulfúrico, além disso, ele praticamente não tem água e sua superfície está coberta de vulcões. Com base nas recentes observações, astrônomos estão estudando os restos de lava, tentando compreender quando exatamente as erupções aconteceram e com qual frequência.

Entretanto, o objetivo principal é entender por que Vênus perdeu suas reservas aquáticas e se tornou uma estufa gigantesca.

Projeto da sonda espacial AREE da NASA - Sputnik Brasil
Conheça os projetos mais loucos de colonização do espaço aprovados pela NASA
Segundo o artigo publicado na Nature Geoscience, isso aconteceu devido ao fato de que os processos tectônicos não acontecem em Vênus. Estudiosos apontam que tais processos são responsáveis pelo movimento das placas da crosta do nosso planeta. Isso significa que eles ajudam a resfriar o manto, gastando energia para mover placas e "libertando vapor" através de erupções vulcânicas — o que mantém o balanço de temperatura do planeta no nível certo.

Não obstante, como sublinham os cientistas, tais processos não ocorrem em Vênus. Por essa razão, o color se acumulou em seu núcleo até erupções grandiosas acontecerem, jogando enorme quantidade de enxofre e dióxidos de carbono para atmosfera, tornando-a, assim, uma estufa gigante.

© NASAVista do planeta Vênus
Vista do planeta Vênus - Sputnik Brasil
Vista do planeta Vênus

Mas a hipótese principal recebeu grandes críticas da cientista francesa, Anne Davaille, e de seus colegas que criaram um análogo de Vênus em laboratório e encontraram traços de processos tectônicos em suas rochas.

Os cientistas estavam interessados no processo de surgimento das assim chamadas "coroas" — planaltos misteriosos na superfície de Vênus, rodeados por fendas e fraturas numerosas. Desde sua descoberta em 1983, elas causam alvoroço entre planetólogos.

Vênus fervida

Cápsula com Kimbrough, Ryzhikov e Borisenko aterrissa no Cazaquistão - Sputnik Brasil
Soyuz MS-02 traz astronautas da EEI de volta para a Terra
Segundo a maioria dos cientistas, o magma sobe para a superfície de Vênus e depois volta para o núcleo. No entanto, uma parte pequena permanece na superfície do planeta, formando as "coroas".

Anne Davaille e seus colegas investigaram se tais fluxos de magma eram capazes de levar matéria da crosta para dentro do planeta, realizando, assim, a rotação de rochas como acontece na Terra.

Devido ao fato de ser pouco difícil observar esse processo a partir da Terra ou órbita, os cientistas criaram condições laboratoriais parecidas para provar suas suposições.

Eles descobriram que esse processo na verdade pode ocorrer — fluxos de água fervida que sobem para a superfície de Vênus pouco a pouco separam fragmentos da crosta que se juntam ao magma.

Galáxia na constelação de Virgo, imagem tirada pelo telescópio Hubble - Sputnik Brasil
Morte das galáxias: suicídio ou assassinato?
Ao contrário dos continentes do nosso planeta, os fragmentos da crosta de Vênus são sempre pequenos, por isso traços desse processo não são notáveis.

Mais ou menos, os planetólogos sublinham que é possível vê-los — quase toda a superfície de Vênus está coberta não somente por "coroas", mas também por fraturas e fendas. Tudo isso prova que processos tectônicos ocorrem em Vênus e, se calhar, os cientistas reverão teorias que explicam por que Vênus se tornou o "planeta-inferno" e por que a Terra evitou o mesmo destino.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала