Vice-presidente do Parlasul: Resolução da UE contra mídias russas é 'descabida'

© AFP 2022 / EMMANUEL DUNANDBandeiras da União Europeia próximo ao edifício da Comissão Europeia, Bruxelas
Bandeiras da União Europeia próximo ao edifício da Comissão Europeia, Bruxelas - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O vice-presidente do Parlamento do Mercosul (Parlasul), Daniel Caggiani, disse à Sputnik que a declaração emitida pelo Parlamento Europeu contra mídias russas atenta contra a liberdade de expressão.

Presidente russo Vladimir Putin durante discurso - Sputnik Brasil
Putin: resolução do Parlamento Europeu é evidência da degradação política da democracia
"Mais que tratar de lutar por uma maior diversidade de opiniões e pela liberdade absoluta que as mídias de comunicação devem gozar em qualquer parte do mundo, uma declaração deste tipo a respeito da linha editorial ou o perfil jornalístico de um canal ou uma agência, parece justamente uma tentativa de algemá-los, sobretudo apontar um tipo de visão editorial", disse o parlamentar uruguaio ao comentar a resolução que qualifica as mídias russas, em particular as agências Sputnik e RT, como "propaganda hostil" contra a União Europeia. 

Para o representante da Bancada Progressista do Parlasul, o Parlamento Europeu "deveria estar mais preocupado pelo forte processo de concentração da propriedade e da linha editorial de "alguns grupos econômicos que manipulam meios de comunicação muito importantes". 

Segundo ele, este processo de concentração vai "monopolizando não só os meios de comunicação, mas também as suas linhas editoriais". 

"Isto deveria ser um tema de preocupação para um parlamento que tem que defender a democracia. Quando existe pouca diversidade de opinião nos meios de comunicação, compromete-se um dos princípios fundamentais da democracia: a liberdade de expressão", disse o membro da Câmara dos Representantes do Uruguai do bloco de esquerda Frente Ampla. 

O vice-presidente do Parlasul também lembrou que o Parlamento Europeu "teve um posicionamento político claro em algumas questões não compatíveis, com um comportamento intervencionista nas relações com países como Venezuela ou regiões como o Mercosul. 

A declaração europeia também comparou o conteúdo das mídias russas de propriedade estatal com a organização terrorista Daesh (Estado Islâmico, proibido na Rússia). Para Caggiani, "para além das diferenças de opiniões, comparar as mídias de um Estado soberano, com um governo legítimo eleito nas urnas com o grupo jihadista é um ato descabido da direita europeia". 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала