Exércitos da América Latina dão atenção especial à política doméstica

© AP Photo / Ramon Espinosa Helicóptero, Cuba. furacão Matthew
Helicóptero, Cuba. furacão Matthew - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As Forças Armadas latino-americanas estão mais envolvidas com sua agenda interna, disse à Sputnik Mundo Samanta Kussrow, integrante da Rede de Segurança e Defesa da América Latina (Resdal).

O interesse dado à agenda interna de cada país, por exemplo, a colaboração em situações de desastres naturais como furacões ou terremotos, está em detrimento de outros assuntos de caráter internacional.

Manifestantes a favor do não no referendo sobre o acordo de paz com as FARC na Colômbia - Sputnik Brasil
Governo colombiano volta a se reunir com FARC após rejeição popular do acordo de paz
Kussrow indicou que os países americanos "não vêm prestando um apoio muito substancial" ao processo de paz na Colômbia, com a exceção do Brasil, Chile e Venezuela, que participaram da mesa de negociações entre o Governo colombiano e as FARC em Cuba.

"Além disso, a região não teve grandes discussões, nem progresso, nem o que poderia ter sido uma base para o processo, nem algo que poderia ser utilizado no futuro", disse Kussrow.

As reivindicações do Brasil por uma posição permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas tampouco provocaram um apoio especial.

"Se bem que existe a reivindicação, na realidade, a situação política do Brasil é um tanto complexa. Não houve muito esforço dos outros representantes da região [latino-americana] para levantar a bandeira", indicou a representante da Resdal, órgão que conta com a participação das forças armadas, da sociedade e dos Governos da Região. A entidade participou da Conferência de Ministros de Defesa das Américas, realizada em Trinidad e Tobago, entre 10 e 12 de outubro.

Boeing 767-300 ER - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Furacão Matthew: Brasil envia donativos aos desabrigados no Haiti
Os países discutiram "em um âmbito hemisférico" a colaboração das Forças Armadas de cada país em caso de desastres naturais, levando em consideração episódios recentes. O terremoto no Equador de abril de 2016 e os furacões que afetaram as nações do Caribe mais recentemente entraram para a agenda dos Exércitos da região para a assistência através da esfera militar dos países participantes, disse a especialista.

"Isso faz com que as Forças Armadas repensem quais mecanismos específicos podem ser oferecidos por elas para a assistência aos civis em situações de desastre, como oferecer apoio logístico, por exemplo", explicou Kussrow à Sputnik Mundo.

Os exércitos latino-americanos e caribenhos negociam também seu papel no "desenvolvimento geral dos países em sentido amplo". Isso inclui, segundo a especialista, a proteção dos interesses estratégicos de cada país, como a fiscalização do mar territorial, o cuidado do meio ambiente, proteção de florestas, geleiras e infraestruturas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала