Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Golpe na Turquia: EUA oferecem ajuda na investigação

© AFP 2021 / BERK OZKAN / POOL Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan (L) fala com Barack Obama (R), presidente dos EUA
Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan (L) fala com Barack Obama (R), presidente dos EUA - Sputnik Brasil
Nos siga no
Na sequência da tentativa de golpe na Turquia, a Casa Branca informou hoje (18) que os EUA ofereceram ajuda a Ancara para investigar o sucedido e disse que o presidente norte-americano Barack Obama conversará “em breve” com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

"O presidente [Obama] não falou com o presidente Erdogan desde os eventos deste fim de semana, mas eu gostaria de antecipar que o presidente Obama vai estar no telefone com o presidente Erdogan relativamente em breve", afirmou o secretário de imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, em entrevista coletiva nesta segunda (18).

De acordo com ele, os EUA já se ofereceram para ajudar a Turquia “de qualquer maneira possível” no que diz respeito à investigação sobre a tentativa de golpe.

"É crucial para eles [o governo turco] exercer a moderação, respeitar e observar o devido processo e proteger as liberdades que estão consagradas na Constituição da Turquia", acrescentou Earnest, falando sobre a reação de Ancara ao levante militar.

Na noite de sexta-feira (15), as autoridades turcas disseram que havia uma tentativa de golpe militar no país. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, convocou o povo a ir às ruas para “defender a democracia” e responsabilizou o clérigo opositor turco Fethullah Gulen de orquestrar o golpe a partir de seu autoexílio nos EUA. 

Secretário de Estado norte-americano John Kerry durante a conferência de imprensa sobre a reunião da OTAN, Bruxelas, 2 de dezembro de 2015 - Sputnik Brasil
Kerry ataca Turquia por insinuar envolvimento dos EUA em golpe contra Erdogan
Segundo Earnest, Washington ainda não recebeu nenhum pedido formal de Ancara para extraditar Gulen.

O levante foi reprimido ainda na madrugada de sábado (16), com o primeiro-ministro turco Binali Yildirim afirmando que todos os golpistas haviam sido identificados e seriam punidos. Mais de 290 pessoas foram mortas e centenas ficaram feridas durante os eventos. Até agora, quase 6 mil pessoas já foram detidas por suspeita de envolvimento no golpe fracassado.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала