'Rússia age como devia, estando cercada por OTAN'

© AP Photo / Mindaugas KulbisExercícios da OTAN na Lituânia
Exercícios da OTAN na Lituânia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Reforçando sua presença militar nos Países Bálticos e na Polônia, perto da fronteira russa, a OTAN definitivamente busca problemas, disse o especialista norte-americano Ted Galen Carpenter, caracterizando a política de Washington como "uma tragédia iminente".

Chanceler russo Sergei Lavrov na conferência da imprensa da OTAN, Bruxelas 2011 - Sputnik Brasil
Lavrov: Rússia não deixará se envolver na confrontação com EUA, OTAN e UE
As grandes potências inteligentes devem respeitar as áreas de influência e zonas de segurança de outras grandes potências, afirmou Ted Galen Carpenter do Instituto Cato, comentando a decisão da OTAN de instalar quatro batalhões de tropas perto da fronteira russa.

"Os líderes ocidentais, particularmente os dos EUA, se recusaram firmemente conceder a Moscou mesmo uma limitada área de influência, ou zona de segurança, ao longo de sua fronteira", afirmou Carpenter no seu recente artigo para a publicação norte-americana The National Interest, destacando que essa é uma visão bipartidária nos círculos políticos dos EUA.

Segundo Carpenter, ambos Condoleezza Rice, secretária de Estado da administração George W. Bush, e John Kerry, secretário de Estado da administração Obama, acusaram a Rússia de tomar medidas militares contra seus vizinhos "rejeitando mesmo a legitimidade teórica da área de influência".

Soldados russsos durante os exercícios militares - Sputnik Brasil
Exercícios inesperados: OTAN acusa Rússia
Rice acusou Moscou de lançar uma "agressão" contra a Geórgia, e Kerry culpa a Rússia da chamada "anexação" da Crimeia.

Ao mesmo tempo, o especialista disse que a Rússia tem mais justificações relacionadas com a segurança das suas ações que a separação forçada do Kosovo da Sérvia, com a ajuda da OTAN, ou a separação do Chipre do Norte da Turquia.

"A ideia bipartidária" de Washington de que Moscou é "uma potência expansionista agressiva" não corresponde à realidade. O especialista destacou que a Geórgia, Ucrânia e Países Bálticos estiveram sob controlo de Moscou durante séculos antes do colapso da União Soviética. A Crimeia tem sido parte da Rússia desde 1783. Em 1954, a península foi passada para a Ucrânia pelo líder aventureiro soviético Nikita Khruschev, que ordenou instalar mísseis nucleares em Cuba em 1962.

Um membro do Exército dos EUA posa num carro blindado durante os exercícios militares “Dragoon Ride II” perto de Vilnius, Lituânia, junho de 2016 - Sputnik Brasil
OTAN avança condições para reduzir tropas no leste da Europa
Surge a questão de quando e por quê o destino de vizinhos russos – repúblicas bálticas, Geórgia e Ucrânia – ficaram no foco da atenção de Washington e se tornaram um interesse vital para os EUA, disse Carpenter.

Por muito tempo o controle de Moscou sobre estas áreas não importou aos EUA. Por que quando Washington enfrenta uma Rússia enfraquecida, os EUA e seus aliados estão prestes a provocar uma confrontação com Moscou?

Carpenter destacou que qualquer país grande fica indignado se outros países penetrarem em sua zona de interesses. Por exemplo, qual seria a reação dos EUA ao fato de a China ou a Índia instalarem bases na América Central? A resposta é evidente.

Então, porque a Rússia deve reagir de outra maneira a tais ações pouco amigáveis?

Exercícios militares da OTAN Trident Juncture em 2015, realizados em Troia (ao sul da Lisboa). Foto de arquivo, 5 de novembro de 2015 - Sputnik Brasil
Portugal integra forças da OTAN junto da fronteira russa
Antes, o secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg anunciou que a Aliança instalará quatro batalhões de combate nos três Países Bálticos e na Polônia.

A escala e o aumento da presença militar da OTAN no Leste da Europa são tema de discussão já há muito tempo. Recordemos que a Aliança tem aumentado sua presença militar na Europa, em particular nos países da Europa Oriental fronteiriços da Rússia, desde 2014, usando a alegada interferência da Rússia no conflito ucraniano como pretexto.

Moscou avisou repetidamente a OTAN que ações provocativas, inclusive a realização de exercícios perto das fronteiras russas, podem afetar a estabilidade regional e global.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала