Censura máxima: chefe da redação turca da Sputnik é proibido de entrar na Turquia

© Sputnik / Konstantin Chalabov / Abrir o banco de imagensLogo da emissora Sputnik
Logo da emissora Sputnik - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Após a justiça de Ancara ter bloqueado, na semana passada, o acesso à versão turca do site da agência de notícias russa Sputnik, o governo da Turquia também resolveu proibir a entrada no país do chefe de redação desse site, Tural Kerimov, que teve todas as suas credenciais confiscadas no aeroporto de Istambul.

“Um funcionário do controle de fronteira pegou o meu passaporte e me conduziu até um local do desembarque, onde fui mantido por, aproximadamente, uma hora sem qualquer explicação” – disse Kerimov, ao falar sobre o ocorrido no aeroporto de Ataturk, em Istambul.

“Em seguida ele me entregou um papel dizendo que eu sou um passageiro uma entrada é proibida na Turquia. O papel não contém qualquer explicação. O meu cartão de imprensa e permissão residencial também foram recolhidos e fui intimado a voltar para a Rússia no próximo voo” – explicou Kerimov.

© SputnikPapel entregue a Tural Kerimov no aeroporto de Istambul, proibindo a sua entrada na Turquia
Papel entregue a Tural Kerimov no aeroporto de Istambul, proibindo a sua entrada na Turquia - Sputnik Brasil
Papel entregue a Tural Kerimov no aeroporto de Istambul, proibindo a sua entrada na Turquia

Pavilhão da Sputnik durante a inauguração do SPIEF 2015 - Sputnik Brasil
OSCE: Turquia deve corrigir sua legislação após bloqueio da Sputnik
O site em língua turca da agência Sputnik foi bloqueado na Turquia, por determinação do Departamento de Telecomunicações daquele país, no dia 14 de abril, sem qualquer explicação ou aviso prévio. A decisão foi aprovada posteriormente pelo Tribunal de Justiça do distrito de Gelbashi, província de Ancara, no sábado (16). Segundo informou a agência Anadolu, além da Sputnik, também foi fechado o site da agência de notícias Dicle, bem como vários contas no Twitter.

O departamento turco justificou a medida com o fato de os administradores das referidas contas no Twitter e dos sites da Sputnik e da Dicle não terem removido algumas publicações, que, supostamente, conteriam propaganda do terrorismo, bem como materiais que incitam à violência e ao crime.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала