Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Reviravolta inesperada: Turquia quer ser amiga do Irã

© REUTERS / President.ir/HandoutO presidente iraniano Hassan Rohani cumprimenta o primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu antes da sua reunião em Teerã, Irã, 5 de março de 2016.
O presidente iraniano Hassan Rohani cumprimenta o primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu antes da sua reunião em Teerã, Irã, 5 de março de 2016. - Sputnik Brasil
Nos siga no
Os últimos meses não têm passado particularmente bem para a Turquia. Ancara tem de lidar com a contra-resposta às suas decisões de cortar os laços com Moscou, apoiar os radicais na Síria e reprimir os curdos. Mas a liderança turca parece estar aprendendo da maneira mais difícil que a diplomacia é melhor do que os combates.

Pelo menos essa é a impressão com que se fica das tentativas da Turquia de restabelecer os laços com o Irã, apesar das relações frias entre os dois países, principalmente no que tange à Síria. Teerã, aparentemente, não tem nada contra.

"É no contexto das múltiplas falhas /da política turca/ que devemos analisar a viragem diplomática ‘positiva’ da Turquia para o Irã", escreveu o analista político Salman Rafi Sheikh no portal analítico russo New Oriental Outlook.

Presidente turco Recep Tayyip Erdogan na Conferência Climática em Paris, 30 de novembro de 2015 - Sputnik Brasil
Erdogan critica Rússia e Ocidente por apoiar curdos
No início de março, o primeiro-ministro turco Ahmet Davutoglu fez uma visita oficial ao Irã. Os seus comentários sobre a Síria visaram aparentemente fazer as pazes.

"Nós não queremos que a Síria seja dividida em pequenos Estados, e chegámos a um acordo com as autoridades iranianas… que essa desintegração não iria acontecer e que a Síria iria continuar a sua existência como um país poderoso», disse Davutoglu, citado pela agência de notícias iraniana Fars.

A Turquia tem demonstrado forte oposição ao governo do presidente Bashar Assad e tem apoiado grupos terroristas que estão tentando o derrubar. Além disso, há pouco tempo, Ancara alegadamente planejava enviar as forças terrestres para o norte da Síria.

© REUTERS / Kayhan Ozer/Presidential PalacePresidente da Turquia, Tayyip Erdogan encontra-se com o ministro do Exterior do Irã, Mohammad Javad Zarif, em Istambul, Turquia, 19 de março de 2016
Presidente da Turquia, Tayyip Erdogan encontra-se com o ministro do Exterior do Irã, Mohammad Javad Zarif, em Istambul, Turquia, 19 de março de 2016 - Sputnik Brasil
Presidente da Turquia, Tayyip Erdogan encontra-se com o ministro do Exterior do Irã, Mohammad Javad Zarif, em Istambul, Turquia, 19 de março de 2016

No sábado (19), o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, se reuniu com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, o premiê turco e o ministro das Relações Exteriores, Mevlüt Cavusoglu, durante a sua visita de um dia a Istambul. Zarif chamou a Turquia «de um vizinho muito importante", acrescentando que «os altos funcionários do Irã dão importância especial às relações com a Turquia».

Buildings, which were damaged during the security operations and clashes between Turkish security forces and Kurdish militants, are seen in the southeastern town of Cizre in Sirnak province, Turkey March 2, 2016 - Sputnik Brasil
Governo do Curdistão: operação da Turquia contra curdos é um genocídio
Ambos os países enfatizaram que querem promover a cooperação em diversas áreas, incluindo a economia, energia e segurança. A Turquia, de acordo com o especialista, precisa do Irã como fonte alternativa de petróleo e gás. Ancara também espera que o Irã possa ajudar a Turquia a resolver a questão curda, uma vez que ambos os países vão fazer todos os esforços para evitar que o grupo étnico crie um Curdistão independente.

Por sua vez, «o Irã tem certeza de que a Turquia perdeu a guerra na Síria e que Ancara está prestes a começar uma nova fase na sua política", explicou Salman Rafi Sheikh, acrescentando que ambos os países querem receber um maior acesso aos mercados um do outro. «A elite empresarial turca vê no Irã, assim como os empresários europeus, um grande mercado para investir», acrescentou.

O analista advertiu que esta diplomacia provavelmente vai resultar em uma união frágil de conveniência, que poderá se quebrar facilmente em caso de certas evoluções geopolíticas.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала